Universidade Federal do Paraná

Menu

Extensão e Cultura

Veja como foi o terceiro dia de Festival de Inverno da UFPR

Superintendência de Comunicação Social     17 de julho de 2018 - 14h33

“O Céu de Valentim” traz reflexão social para o 28° Festival de Inverno

Bravura, coragem e emoção são palavras chaves para definir a peça “O Céu de Valentim”, atração do terceiro dia do Festival de Inverno da UFPR. O espetáculo lotou o Theatro Municipal de Antonina na segunda-feira (16).

“Todos nós somos uma continuação e um pedaço do sem fim”, assim diz uma das falas da peça, protagonizada por Valentim e sua avó, que, após uma mensagem de um anjo, iniciam uma jornada atrás do pai desaparecido do menino.

Com a atuação dos representantes do grupo Obragem, a peça reuniu uma série de problemas sociais. Foto: Nicolle Schumacher

Os vários altos e baixos condicionados às classes mais pobres da sociedade são interpretados na peça de maneira sensível e questionadora. Essa atitude se complementa ao perceber que Ernesto, pai de Valentim e também conhecido como “homem de chinelos”, lutava contra a desigualdade ao bater de frente com o “homem de botas”. Ao passar da trama, Valentim começa a ter consciência de sua classe e um misto de sentimentos ecoam pelo palco, ao definir o desespero da fome, pobreza e carência social.

O espetáculo nasceu de uma ideia do grupo artístico Obragem, criado em 2002 e idealizado por Olga Nenevê e Eduardo Giacomini. A proposta é unir os vários ramos artísticos – teatro, música, literatura e dança – e fazê-los conversar no palco, tornando uma experiência multissensorial.

A peça tem criação recente, mas já passou por vários espaços do Brasil. Segundo o Obragem, o saldo é sempre positivo: “O Céu de Valentim busca mostrar a realidade social que vivemos no país. Quem assiste geralmente acaba refletindo e repensando as ideias”, conta Eduardo.

Para o grupo, a reflexão se dá mais facilmente na mistura de elementos fantasiosos colocados em cena. Com o aspecto fabuloso de gestos e palavras, o Obragem afirma uma tentativa de escancarar a opressão e violência enfrentadas no país.

É a primeira vez que o Obragem se apresenta no Festival de Inverno. “É muito emocionante unir a arte com a comunidade. Ainda mais num evento como este”, comenta Olga.

Grupo de Choro da UFPR na Igreja São Benedito. Foto: Agência Prattica.

Grupo de Choro da UFPR

Com a Igreja São Benedito lotada novamente, o 3º dia do Festival de Inverno da UFPR trouxe a apresentação do Grupo de Choro do DeArtes para o Litoral.

O grupo faz parte do projeto de extensão “Práticas Musicais para a Comunidade no DeArtes 2.0”, criado em 2012 e vinculado à disciplina de Prática de Conjunto Musical VII.

Coordenada pelo professor Edwin Ricardo Pitre-Vásquez, a equipe conta com participantes alunos do curso de Música, mestrandos, doutorandos e convidados que se dedicam à prática do Choro e canções da música brasileira. O repertório é variado, incluindo peças de Jacob do Bandolim, ícone da cultura musical brasileiro que comemora o centésimo aniversário de nascimento neste ano.

Choro ou chorinho é um gênero de música popular brasileira que surgiu no Rio de Janeiro  em meados do século 19, influenciado pelo lundu – ritmo de inspiração africana – e por gêneros europeus.

“O choro é uma linguagem comum do povo brasileiro”, diz Julio Borba, 28 anos, que integra o Grupo de Choro do DeArtes há dois anos. “Comecei a me interessar quando ouvi Raphael Rabello, adorei a música e fui pesquisar o que ele tocava”.

Mel Fernandes, 23 anos, conta que é gostoso tocar junto com o grupo e ver como a música pode causar alegria. Segundo ela, o choro em geral é instrumental, mas recentemente letras foram criadas para músicas tradicionais do gênero. “Essas apresentações abrem portas para que pessoas que nunca ouviram o choro se apaixonem por ele”, afirma.

Noite latina

Para fechar a noite de segunda-feira, o ritmo latino tomou conta da cidade de Antonina com o grupo El Merekumbé. Formada por três integrantes cubanos e seis brasileiros, a banda levantou o público e colocou todo mundo para dançar.

O grupo surgiu em 1999, por iniciativa do maestro cubano Jorge Mujica, e busca o intercâmbio entre a música latina bailável, principalmente a salsa – música caribenha – com vários ritmos, como mambo, rumba, bolero, cha-cha-cha, son-montuno, danzón, cumbia e merengue.

El Merekumbé animou a noite com os sucessos “Corazón Espinado”, “Mas que nada” e o tema da série La Casa de Papel, “Bella Ciao”.

“Adoro música cubana e caribenha. Acho que esse tipo de show traz uma riqueza para cidade, é uma efervescência de arte e cultura”, avaliou a artistia Soluá Carnei.

Nesta terça-feira tem mais! Venha para o Festival de Inverno da UFPR!

Confira a programação completa.

 

Aline Fernandes França, Larissa Nicolosi e Agência Prattica


Outras notícias

UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2019 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pelo Centro de Computação Eletrônica da UFPR