Universidade Federal do Paraná

Menu

Ciência e Tecnologia

Variante do coronavírus tende a ser mais fatal entre jovens e adultos, sugere estudo

Aline Fernandes França     17 de maio de 2021 - 11h20

Pacientes jovens, com idade entre 20 e 29 anos, tiveram as taxas de letalidade por Covid-19 triplicadas em fevereiro de 2021, comparadas ao mês de janeiro do mesmo ano, após o surgimento da variante P.1. É o que identificou o estudo “Sudden rise in COVID-19 case fatality among young and middle-aged adults in the south of Brazil after identification of the novel B.1.1.28.1 (P.1) SARS-CoV-2 strain: analysis of data from the state of Parana”, da Universidade Federal do Paraná, publicado na plataforma MedRxiv.

A maior frequência de casos graves de Covid-19 em pessoas jovens levou os pesquisadores a investigarem se isso seria consequência do número absoluto de casos da faixa etária ou a se a nova variante poderia ser mais letal para jovens e adultos. O artigo assinado pela acadêmica do curso de Estatística da UFPR, Maria Helena Santos de Oliveira, em parceria com os pesquisadores Giuseppe Lippi (University of Verona) e Brandon Michael Henry (The Heart Institute), analisa dados da pandemia no Paraná do período de 1 de setembro de 2020 a 17 de março de 2021.

Os pesquisadores avaliaram 553.518 casos de indivíduos infectados pelo SARSCoV-2 no Paraná, sendo 8.853 registrados como fatais. As informações foram organizadas por grupos de idade, mês de diagnóstico e taxa de letalidade mensal.

De acordo com o estudo, os grupos de idade apresentavam declínio ou estabilização das taxas de mortalidade desde setembro de 2020, entretanto o mês de fevereiro de 2021 mostra um aumento contrastante de fatalidades entre quase todas as faixas etárias. O crescimento da letalidade para infecções por Sars-Cov-2 é associado pela pesquisa à variante chamada P.1. Identificada originalmente no Amazonas, a nova cepa se espalhou rapidamente pelo Brasil e foi oficialmente registrada no Paraná no dia 16 de fevereiro.

No período analisado, a taxa de mortalidade na casa dos 20 anos subiu de 0,04% para 0,13%. Para pacientes de 30 a 39 anos, a taxa subiu 93%.  O risco também aumentou 110% na faixa etária de 40 a 49 anos e 80% para indivíduos com 50 e 59 anos. Nenhuma alteração foi observada pela pesquisa nas taxas de mortalidade de crianças ou adolescentes.

“Apesar de não conseguirmos separar o efeito do colapso hospitalar do efeito da nova variante sobre a taxa de letalidade, vemos que a tendência do aumento na morte dos jovens após o surgimento da nova variante tem sido observado em diversos estudos, em outros estados brasileiros”, ressalta a pesquisadora Maria Helena. “Isso nos faz pensar que algo está realmente mudando as dinâmicas da pandemia no Brasil”.

A conclusão do artigo aponta ainda que as descobertas exigem investigação adicional imediata, mas já servem de alarme para a saúde pública, além de merecer uma resposta global para inibir a difusão global da nova cepa. Entre as medidas mais urgentes, são elencadas a necessidade de uma saúde pública local mais agressiva, intervenções e vacinação mais rápida.

Os resultados da pesquisa ainda não foram revisados pelos pares.

Variante P1 no Paraná

A P1 é uma variante mais contagiosa, identificada pela primeira vez no mês de janeiro de 2021, no Japão, em viajantes que retornavam do estado do Amazonas. A P1 tem a mutação E484K, que precisa de mais anticorpos para resistir ao vírus.

No final de março, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) publicou um estudo com o sequenciamento genômico realizado em amostras de moradores do Paraná infectados com o coronavírus. De 80 amostras coletadas, 46,2% são da variante P1, mutação brasileira do vírus.

Apesar de contemplar um universo reduzido de amostras, os resultados indicam que essa linhagem é predominante entre as identificadas no estado.

A análise foi feita pela Rede Genômica Fiocruz e pelo Instituto Carlos Chagas (Fiocruz Paraná) em parceria com a Universidade Federal do Paraná (UFPR), coordenada pela Sesa e supervisionada pelo do Laboratório Central do Estado (Lacen/PR).

 

Saiba mais sobre como surgem as variantes virais:

https://www.ufpr.br/portalufpr/noticias/variantes-do-coronavirus-podem-aumentar-se-nao-houver-controle-da-transmissao-mascaras-e-vacinas-sao-a-melhor-chance/

 

Foto de destaque: Pixabay no Pexels

 


UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2021 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pela AGTIC - Agência de Tecnologia da Informação e Comunicação da UFPR