Universidade Federal do Paraná

Menu

+ UFPR

UFPR produz álcool para atender demanda de diferentes regiões do Paraná

Superintendência de Comunicação Social     31 de março de 2020 - 10h50

Laboratórios e equipes da Universidade Federal do Paraná (UFPR) estão atuando na produção de formulações de álcool, produto essencial para prevenção e controle da pandemia do Coronavírus. No campus de Jandaia do Sul, por exemplo, somente em um dia foram produzidos 700 litros do álcool 70% glicerinado. Em Palotina, foram 125 litros da formulação teste. Setenta litros do produto também serão doados, nos próximos dias, para redes de banco de sangue do estado via Pró-reitoria de Administração (PRA).

Em texto, o professor do departamento de Ciências Exatas do campus Jandaia do Sul, Simão Nicolau Stelmastchuk, explica que a iniciativa começou com o desejo de atender a região do Vale do Ivaí e norte Pioneiro com a produção de Álcool 70% para a higienização das mãos. Como o álcool em gel estava em falta ou era vendido por preços muito acima da média, adotou-se uma formulação eficiente, aprovada pela Agência de Vigilância Sanitária da Regional de Apucarana. 

Em Jandaia, produção é distribuída no sistema de saúde (Fotos: Acervo Pessoal)

Segundo o professor e pesquisador do Laboratório de Espectrometria de Massas da UFPR, Eduardo Meurer, o álcool 70% glicerinado é o produto ideal para desinfecção, e sua diferença para o popular álcool em gel, hoje em falta no mercado, é basicamente a sensação de conforto do usuário. “O álcool em gel é fabricado com Carbopol, um polímero que muda a consistência do produto e que encarece a produção”, explica. “As pessoas costumam gostar mais desse para as mãos, mas o líquido é mais eficiente, pode estar em frascos de pulverização, tem melhor espalhabilidade, além de ser muito mais barato”.

Campi avançados

A produção em Jandaia do Sul está em um ritmo intenso, chegando a ocupar três turnos, que envolvem duplas de professores e acadêmicos, para respeitar a recomendação de isolamento e distanciamento social. A matéria prima, conforme Stelmastchuk, foi adquirida a partir de um esforço coletivo.  “Inicialmente, conseguimos recursos com os colegas do Campus, os quais somos extremamente gratos, depois conseguimos recursos com o Rotary de Jandaia do Sul e por fim com a comunidade em geral. Estes recursos foram muito valiosos, pois com eles conseguimos comprar os componentes para a nossa formulação”. Hoje, a produção também depende de uma parceria com uma cooperativa que está fornecendo insumos a preço de custo.

Um dos responsáveis pela logística de distribuição, Stelmastchuk conta que a equipe também precisou criar um modelo sustentável para o seu desenvolvimento, já que reconheceu que as doações iniciais não seriam suficiente e que poderiam ficar sem apoio governamental. “Estipulamos um valor para o galão de 5 L e o frasco de 500 mL que cobrissem os custos de sua produção. Com isso, poderíamos continuar a produzir e auxiliar novas cidades e instituições”. 

O trabalho de divulgação do projeto foi feito com o apoio do Club Rotary de Jandaia do Sul e da Associação Comercial da cidades. Para beneficiar as prefeituras e hospitais, o grupo também abriu a possibilidade de troca de insumos. “Estes foram os casos da Prefeitura de Jandaia e do Hospital de Borrazópolis, ambos nos entregaram o etanol 96% e lhes devolvemos o Álcool 70”.

Produção no setor Palotina

No campus Palotina a produção trabalha com formulação alternativa, aprovada pela Vigilância Sanitária. O produto leva a formulação líquida do etanol, o peróxido de hidrogênio e a glicerina. Professores, técnicos e acadêmicos estão envolvidos. “O que vai determinar o fator de higienização das mãos não é o fato de a formulação estar em formato de gel ou líquido, é o conteúdo em termos de etanol”, explica o professor Rodrigo Sequinel, químico responsável pela produção. “Deve- se observar todo o controle de qualidade dos insumos que vão ser necessários e mesmo do produto final acabado”, destaca.

O professor Luciano Bersot, do Laboratório de Inspeção e Controle de Qualidade de Alimentos e Água, é um dos envolvidos na força tarefa. “Ficamos responsáveis por fazer o controle analítico de qualidade microbiológica”. Além dele, dois acadêmicos voluntários participam da etapa. O técnico de laboratório Guilherme Lenz também integra as ações em Palotina. “Estamos seguindo e cuidando de todas as boas práticas de fabricação, porque queremos garantir a sua eficácia. Da mesma forma, estamos fazendo todo o controle de qualidade dos insumos”.

Distribuição

Além de atender as unidades de saúde, de acordo com o professor Stelmastchuk, o projeto de Jandaia do Sul trabalha para distribuir de forma gratuita o Álcool 70 para instituições que trabalham com pessoas vulneráveis. “Já entregamos o produto no Asilo São Vicente de Paula e no PAM de Jandaia do Sul”. A proposta também é distribuir, de forma gratuita, por meio de um projeto de assistência, a formulação para mais de 400 famílias em situação vulnerável. 

Até segunda-feira (30), só na região de Jandaia, já haviam sido atendidos municípios de Jandaia do Sul, Borrazópolis, Marialva, Apucarana, Cambira, Godoy Moreira, Astorga, Santa Fé e Lunnardeli. “Nos próximos dias temos a previsão de atender os municípios de São João do Ivaí, Marumbi, Doutor Camargo, Floraí, Mandaguaçu, Nova Esperança e Colorado”, argumenta.

Já no setor Palotina, os produtos serão distribuídos no próprio campus e no sistema de saúde. A produção da UFPR Curitiba será inicialmente doada para os bancos de sangue do estado. Via PRA, já no domingo houve a entrega de uma parte da produção. 

Produtos prontos para distribuição, em Palotina, após rígido controle de qualidade

Pelo Facebook, o Centro de Estudos do Mar, do campus Pontal do Paraná, também comunicou a entrega de desinfetante produzido por professores de Química. A Comunidade terapêutica Missão Resgate no balneário de Shangrilá recebeu o material.

O Laboratório de Biologia Molecular da UFPR Litoral, coordenado pelo professor Luciano Huergo, produziu, com a colaboração de servidores da instituição, 100 litros de álcool 70 (líquido). Esse material e doze caixas de luvas descartáveis foram doados para secretaria de saúde do município de Guaratuba.

O professor Helton José Alves, Diretor de Desenvolvimento e Integração (Integra) da UFPR, considera a mobilização dos diferentes campi emocionante. “Nesse momento delicado é emocionante ver a mobilização da nossa comunidade acadêmica. Estas ações reforçam a importância da expansão universitária”, salienta.

Veja o programa Informa, da UFPR TV, que trata do assunto:

Saiba tudo sobre as ações da UFPR relacionadas ao Coronavírus

(Colaborou Rene Lopez/Agência Escola/UFPR TV)


UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2020 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pela AGTIC - Agência de Tecnologia da Informação e Comunicação da UFPR