Universidade Federal do Paraná

Menu

Ciência e Tecnologia

UFPR pesquisa poluição atmosférica na Biblioteca Nacional e seus efeitos sobre o acervo

Celsina Favorito     24 de março de 2015 - 15h54

"Os Lusíadas", de Camões. Foto: Arquivo Biblioteca Nacional

“Os Lusíadas”, de Camões. Foto: Arquivo Biblioteca Nacional

A primeira das duas edições de “Os Lusíadas”, obra do português Luís Vaz de Camões, e dois exemplares da Bíblia de Mogúncia (latina), de 1462, são exemplos do acervo da Biblioteca Nacional, instalada no Rio de Janeiro. A poluição atmosférica deste ambiente, que abriga essas raras produções e inúmeras outras de grande valor histórico/cultural, passa por avaliação de docentes e alunos da Universidade Federal do Paraná, que desde janeiro de 2014 realiza estudos no local.

Biblia de Mogúncia (latina). Foto: Arquivo Biblioteca Nacional

Biblia de Mogúncia (latina). Foto: Arquivo Biblioteca Nacional

Segundo o coordenador do projeto, professor de Engenharia Ambiental Ricardo Godoi, o objetivo da pesquisa é verificar não apenas os níveis de poluição a que as obras estão expostas mas, também, os efeitos causados sobre elas e a melhor maneira de efetuar a conservação preventiva. As sugestões para evitar degradações futuras sobre o acervo – enegrecimento, corrosão de superfícies, fissuras, desbotamento de pigmentos, fragilização de papéis e couros, dentre outras – serão apresentadas em abril, num workshop que tratará da conservação preventiva de coleções documentais em prédios históricos.

Entre as 10 do mundo

Parte do acervo da Biblioteca Nacional. Foto: Arquivo Biblioteca Nacional

Parte do acervo da Biblioteca Nacional. Foto: Arquivo Biblioteca Nacional

Godoi explica que o estudo foi motivado pela importância da Biblioteca Nacional – foi fundada em 1910 e é considerada pela Unesco como uma das 10 maiores do mundo; abriga acervo raro; e obras são expostas à poluição atmosférica do entorno. O docente ressalta que a localização da Biblioteca – região central da cidade e caracterizada por intenso tráfego de veículos – além de materiais do próprio acervo – que podem emitir gases poluentes – são fontes de risco constante para a preservação dos registros bibliográficos.

Obras raras. Foto: Arquivo Biblioteca Nacional

Obras raras. Foto: Arquivo Biblioteca Nacional

Ricardo Godoi defende que a herança cultural brasileira depositada na Biblioteca Nacional seja mantida para que as gerações futuras tenham acesso a ela, afinal, “são nada menos que nove milhões de peças (livros, mapas, manuscritos, música e periódicos)”. Segundo ele, integram o acervo poemas escritos e autografados por Carlos Drummond de Andrade; a primeira edição da Arte da Gramática da Língua Portuguesa, de autoria do Padre Anchieta, bem como cartas referentes aos territórios de Portugal, das suas colônias e das conquistas no Ocidente e no Oriente (séculos XVI e XVII).

Riscos ao acervo e saúde

O coordenador, que atua neste projeto com a docente Ana Flavia Godoi e as estudantes de iniciação científica Anna Ferreira e Tainara Ogawa, comenta que as pesquisas de poluição atmosférica são desenvolvidas no Laboratório de Análise e Qualidade do Ar (LabAir/Setor de Tecnologia da UFPR). Neste local são feitos estudos para verificar níveis de concentração de gases como ozônio, óxidos de nitrogênio e enxofre, formaldeído, acetaldeído, compostos orgânicos voláteis, e material particulado como a fuligem (black carbon). “Não apenas o acervo corre riscos de degradação quando exposto a estes materiais, mas a saúde das pessoas que trabalham e visitam a Biblioteca pode ser afetada, enfatiza Godoi.

Amostradoress utilizados nas pesquisas. Foto: Arquivo Eng. Ambiental

Amostradores utilizados nas pesquisas. Foto: Arquivo Eng. Ambiental

De acordo com o docente, ainda não foram reportados na literatura níveis mínimos de concentração de poluentes que possam garantir a exposição segura de acervos como este da Biblioteca Nacional. Por isto, “a pesquisa representa um grande passo para a conservação da história e pode servir de subsídio na tomada de decisões quanto ao gerenciamento de acervos em todo o Brasil”.

O projeto, realizado pela UFPR (recursos humanos e financeiros) em parceria com a Fundação Biblioteca Nacional/Ministério da Cultura, envolve acervos bibliográficos muitos antigos: datam de 1808, com a chegada da família real portuguesa ao Brasil, explica Godoi. O professor de Engenharia Ambiental destaca, também, que países do continente europeu e nos Estados Unidos realizam mais comumente estudos em ambientes internos. No entanto, esta prática é ainda é muito pequena em países em desenvolvimento, especialmente em áreas de clima tropical e subtropical, como é o caso do Brasil.


UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2019 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pelo Centro de Computação Eletrônica da UFPR