Universidade Federal do Paraná

Menu

Ensino e Educação

Startups de saúde e eletrônica da UFPR são selecionadas entre as 100 melhores do Paraná

Superintendência de Comunicação Social     29 de novembro de 2019 - 11h14

O projeto Ciência para Todos da Universidade Federal do Paraná (UFPR) foi premiado duas vezes na seleção das 100 melhores startups do Sinapse da Inovação Paraná. As iniciativas BIO+ e Arme (Realidade Aumentada no Ensino da Medicina) foram reconhecidas pelos trabalhos nas áreas de eletroeletrônica e de saúde e bem-estar, respectivamente. Neste ano, ao todo, 1.851 trabalhos foram submetidos ao programa. Destes, 100 foram selecionados para receber até R$ 40 mil em subvenção econômica da Fundação Araucária, além de capacitação e suporte para desenvolver os produtos e negócios.

De acordo com André Bellin Mariano, professor do Departamento de Engenharia Elétrica e coordenador do projeto Ciência para Todos, hoje a inovação é uma necessidade e os trabalhos devem ser focados na transferência para a sociedade. “A importância da seleção das startups é um reconhecimento do trabalho desenvolvido pela Universidade na formação de jovens talentos. Os graduandos e pós-graduandos do projeto são capacitados para a criação de startups e a concepção de um negócio desde a ideação até a abertura da empresa”.

O professor explica que as startups são iniciativas sem modelo de negócio definido com forte caráter tecnológico e de inovação. “Os principais impactos são a criação de empresas, contratação de funcionários e geração de receita para o Estado’’.

Monitoramento de
sistemas biológicos

A BIO+ se trata de um dispositivo de internet das coisas, a internet aplicada a objetos do cotidiano, para controle e monitoramento de cultivos de microalgas e outros sistemas biológicos. A startup gira em torno de transformar os resultados de pesquisas de iniciação científica, pós-graduação e trabalhos de conclusão de curso (TCC) em um produto versátil e de interesse de diversos setores industriais.

Equipe da startup BIO+ contribui para o cultivo de sistemas biológicos. Fotos: Startup Experience/Divulgação

O conhecimento do mercado e da tecnologia de cultivo de microalgas colocou a equipe em vantagem na apresentação da proposta do Sinapse da Inovação Paraná, que incluiu um plano de negócio inovador. A equipe é composta por alunos de Engenharia Elétrica, Engenharia de Bioprocessos e Engenharia Mecânica.

Realidade aumentada
no ensino da Medicina

A Arme consiste no uso de realidade aumentada para o ensino da Medicina. Estudantes de Engenharia Elétrica, Mecânica e Ciência da Computação se juntaram para criar um projeto que colaborasse com o ensino na área da saúde. O público-alvo do serviço proposto pela Arme são universidades, escolas técnicas e ensino fundamental que, através da realidade aumentada, terão à disposição uma ferramenta para o ensino da anatomia e fisiologia. Vários estudos de mercado e entrevistas com potenciais clientes permitiram a modelagem do negócio e a elaboração de uma proposta vencedora.

Professor André Bellin Mariano e estudante Thiago Verastegui recebendo o reconhecimento do Sinapse da Inovação Paraná

Para Thiago Verastegui, estudante de Medicina da UFPR e criador de conteúdos para ensino médico da startup, o objetivo é facilitar a compreensão de conteúdos relatados em aulas teóricas. “Com o uso da realidade aumentada, buscamos formas de facilitar a compreensão das aulas por parte dos discentes e também aumentar a interligação entre as disciplinas no ciclo básico e clínico’’.

Ciência para Todos

O Ciência para Todos é um projeto de extensão que surgiu em 2016, no Departamento de Engenharia Elétrica da UFPR. São promovidas visitas de escolas públicas, divulgação científica e é oferecida a iniciativa Startup Experience, que capacita jovens para o mercado de trabalho.

Atualmente, 15 startups estão em desenvolvimento e envolvem o trabalho de alunos de trabalho de conclusão de curso (TCC), estágio, iniciação científica, mestrado, doutorado e disciplinas do Departamento de Engenharia Elétrica da UFPR. Um exemplo é a startup que desenvolve solução para deficientes auditivos acompanharem aulas.

O projeto continuará a capacitar jovens com metodologia Startup Experience. Segundo André, o plano é sistematizar a metodologia e compartilhar o conhecimento com outras universidades que queiram trabalhar em conjunto com a UFPR. “No próximo semestre abriremos vagas para mais 30 alunos dispostos a criarem startups de base tecnológica com capacidade de criar impacto na sociedade. Ampliaremos nossa oferta de visitas para alunos de escolas públicas de Curitiba, Região Metropolitana e todo o estado do Paraná”.

Por Breno Antunes da Luz
Sob supervisão de Chirlei Kohls
Parceria Superintendência de Comunicação e Marketing (Sucom) e Agência Escola de Comunicação Pública e Divulgação Científica e Cultural da UFPR