Universidade Federal do Paraná

Menu

Extensão e Cultura

Últimas notícias...


Histórico de notícias

Saiba mais sobre a ciência das máscaras e aprenda a aumentar a proteção

Amanda Miranda     27 de julho de 2020 - 13h28

Um artefato simples é um aliado importante no combate à pandemia do novo coronavírus: as máscaras utilizadas no rosto podem bloquear a passagem do vírus e têm ainda mais efetividade se forem organizadas em camadas, com os materiais adequados. 

Tecidos naturais ou sintéticos e até mesmo o filtro de papel utilizado para coar café podem servir para aumentar a prevenção. O professor do departamento de Química da Universidade Federal do Paraná, Herbert Winnischofer, explica que esses materiais podem fazer diferença no controle da pandemia. “As partículas são complexas. Não é só água, nem só material biológico, é uma mistura complexa, com diversas interações de natureza molecular“, comenta.

Microscópio ótico registra TNT, as fibras e os poros formados (Imagem captada pelo professor Herbert Winnischofer)

Justamente por conta dessa complexidade, os materiais utilizados nas máscaras devem ser combinados de forma que as partículas capazes de levar o vírus a um indivíduo saudável possam ser bloqueadas ou terem chance reduzida de penetrar na máscara.

“A cápsula do vírus possui grupos químicos. A seda, por exemplo, feita da fibra da larva da mariposa, é constituída de proteínas que interagem através dos seus grupos químicos  com as do vírus, é capaz de bloquear as partículas virais“, explica Winnischofer. Em alguns casos, tecidos sintéticos são tratados quimicamente para proporcionarem essa interação.  

Tecidos naturais, como o algodão e a seda, têm eficácia comprovada, mas também dependem de combinações e arranjos para serem ainda mais efetivos. As máscaras simples, caseiras, caso produzidas da forma correta, são recursos simples e baratos de prevenção. 

Outro aspecto relevante na combinação das camadas é analisar se o tecido ou material utilizado repele ou absorve a água. A princípio, segundo o professor, o ideal é que eles sejam combinados: a camada mais aparente deve repelir a água e as camadas internas atrair, para que as partículas se fixem na superfície do tecido e não atravessem a barreira.

Para entender

 

As fibras repelem água, por isso as gotículas ficam na superfície

Máscara caseira 


Filtro de café de celulose. Fibras são mais finas a trama mais densa

Passo a passo 

Tutorial (por Herbert Winnischofer, professor do Departamento de Química) 

Clique na imagem para ampliar (Arte: Marketing/Sucom)

Eu possuo máscaras que foram costuradas com duas camadas de algodão (como recomendado no início da pandemia). Como ela possui uma pequena abertura entre os painéis de pano, eu insiro outros filtros que são facilmente encontrados em supermercados, para melhorar a eficiência como barreira.  

 

Saiba tudo sobre as ações da UFPR relacionadas ao coronavírus


UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2020 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pela AGTIC - Agência de Tecnologia da Informação e Comunicação da UFPR