Universidade Federal do Paraná

Menu

Ciência e Tecnologia

Projeto de pesquisa estuda instrumentos de corda de Brasil e Portugal

Lais Murakami     5 de janeiro de 2021 - 10h55

Thiago Corrêa de Freitas, Ivan Vilela e Lucas Guilherme Schafhauser – Crédito: Simona Misan

A música e os instrumentos – em especial os de cordas dedilhadas – são objeto de estudo do Projeto AtlaS – Atlântico Sensível, da Universidade de Aveiro, em Portugal. Para contribuir com esse projeto que une Brasil, Portugal e outros países que falam a língua portuguesa no corredor atlântico, o professor Thiago Corrêa de Freitas e o egresso do curso de Luteria Lucas Guilherme Schafhauser participaram de coletas de depoimentos e entrevistas no mês de dezembro de 2020.

O trabalho foi realizado por Ivan Vilela, professor da Universidade de São Paulo, pesquisador do Instituto de Etnomusicologia da Universidade de Aveiro, músico e compositor. O projeto AtlaS tem como objetivo estudar e resgatar a memória e relações sociais e de criação proporcionadas pelas práticas musicais, seus agentes e instrumentos através do oceano Atlântico.

Segundo Freitas, o projeto está na fase de entrevistas com instrumentistas da viola brasileira – ou caipira, como é amplamente conhecida. O convite para o professor Freitas e o luthier Schafhauser veio da pesquisa sobre o instrumento realizada por ambos. A viola caipira foi o instrumento na conclusão do curso de Luteria e tema de mestrado de Schafhauser. A dissertação “Viola caipira no Brasil: uma história da técnica artesanal e cultura popular, defendida na Universidade Tecnológica Federal do Paraná, teve orientação de Angela Maria Rubel Fanini e o professor Freitas como coorientador. A pesquisa já recebeu premiação em evento nacional, em 2017.

“A nossa contribuição para o AtlaS fugiu da música e seguiu uma linha mais voltada aos aspectos da construção da viola caipira, formas, materiais e a importância do trabalho do luthier na busca por instrumentos cada vez mais responsívos e refinados”, explica Freitas. Também foram discutidos pontos da pesquisa que resultaram do mestrado de Lucas e de como um instrumento europeu, que cruzou o Atlântico, tornou-se a viola brasileira.

O material coletado fará parte da produção de um documentário, que é um dos objetivos do projeto. “Durante a visita, conversamos sobre vários aspectos do projeto e possíveis desdobramentos futuros”, conta Freitas. Existe a possibilidade dos especialistas da UFPR contribuírem futuramente com o AtlaS, através do conhecimento do instrumento. “Temos uma abordagem ao tema que parte do ponto de vista do instrumento mais do que de sua música, lembrando, é claro, que não é possível desvincular completamente um do outro”, complementa o professor Freitas.

Depoimentos farão parte de documentário do Projeto AtlaS – Crédito: Simona Misan

Viola caipira
Freitas explica que a viola brasileira possui dez cordas, distribuídas em cinco pares, chamadas ordens. A afinação varia conforme a região e existem mais de 20 possibilidades já catalogadas. A viola brasileira tem utilização bastante ampla, desde a música chamada caipira, das duplas, até a criação de música puramente instrumental para viola. “Culturalmente, a viola carrega consigo parte da história brasileira, em grande parte contada através dos olhos dos que viveram às margens da grande história oficial”, explica. Na década de 1980 inicia-se o processo de escolarização da viola, com o ensino formal. Em 2005 foi criado o primeiro curso de nível superior de viola caipira, o Bacharelado em Viola, do Departamento de Música da Escola de Comunicações e Artes (ECA), da USP.

O professor conta que existem outros tipos de viola em Portugal, com características próprias, como a viola braguesa, a viola amarantina, a viola beiroa, a viola toeira e a viola campaniça. As violas amarantina e campaniça não se fixaram no Brasil. Entretanto, nota-se a influência da viola beiroa nas manifestações de fandango no litoral do Paraná e São Paulo. A vinda desses instrumentos de Portugal para o Brasil os inseriu em um novo contexto e, com o passar do tempo, a utilização gerou pequenas modificações e a viola brasileira passou a apresentar suas características próprias.


UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2021 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pela AGTIC - Agência de Tecnologia da Informação e Comunicação da UFPR