Universidade Federal do Paraná

Menu

Ciência e Tecnologia

Projeto da UFPR que criou código de cores para deficientes visuais firma parceria com centro de referência de inclusão

Superintendência de Comunicação Social     29 de novembro de 2019 - 10h47

Alunos do Instituto Benjamin Constant utilizando o See Color.

Pesquisadores da Universidade Federal do Paraná responsáveis por desenvolverem o See Color – sistema universal de códigos de cores para deficientes visuais, baseado no Sistema Braille – firmaram um termo de parceria com o Instituto Benjamin Constant, considerado um centro de referência na área de inclusão de deficientes visuais.

A idealizadora do projeto e pós-doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Design, Sandra Regina Marchi, conta que o Instituto aprovou o trabalho e validou a parceria. “Eles estão utilizando o nosso trabalho como material pedagógico. Nós temos autorização para usar a logomarca deles, representando uma validação em termos nacionais, bem como a troca de experiência”, explica. “Dessa forma, a UFPR associa-se ao centro de referência nacional e da América do Sul”.

O projeto recebeu o prêmio “Viva Inclusão”, da prefeitura municipal de Curitiba em 2018, e também foi selecionado como destaque para as comemorações do aniversário de 107 anos da UFPR, que acontecem no próximo dia 11 de dezembro.

See Color: sistema universal de códigos de cores para deficientes visuais, baseado no Sistema Braille.

See Color

A intenção do See Color é ajudar pessoas com deficiência visual a identificarem cores de forma simplificada. O trabalho diferencia-se de outros códigos de cores já existentes mundialmente por ser baseado no Sistema Braille, sendo uma codificação universal e tátil, enquanto os outros são de uso mais regional e de pouca internacionalização.

O See Color foi projetado em 2015, durante o doutorado da pesquisadora em Engenharia Mecânica, e o estudo se baseou em formas didáticas e universais de demonstrar as cores. Protótipos do Sistema de Código de Cor foram confeccionados por meio de software de modelagem sólida com o auxílio de alunos de iniciação científica de Engenharia Mecânica, e depois foram feitos testes de aplicabilidade com deficientes visuais. Sandra foi orientada pelos professores da UFPR, Maria Lúcia Leite Ribeiro Okimoto e Ramón Sigifredo Cortés Paredes, e pelo professor Milton José Cinelli da Universidade Estadual de Santa Catarina (UDESC).

Idealizadora do projeto e pós-doutoranda da UFPR, Sandra Regina Marchi. Foto: arquivo pessoal

A codificação é formada por dois polígonos, sendo o primeiro de cores primárias sobreposto por um de cores secundárias. A distribuição é ensinada a partir de uma lógica de ponteiros de relógio, em que as extremidades ficam com as cores primárias e as medianas ficam com as suas formações; por exemplo: 12h o vermelho, 2h o laranja, 4h o amarelo, 6h o verde, 8h o azul e 10h o roxo. Todos os símbolos têm ainda um ponto (.) que posiciona-se como o centro de um relógio e um traço (-) que funciona como o ponteiro.

O código pode ser impresso diretamente sobre objetos, obras de arte, etiquetas e embalagens em geral, dando mais acessibilidade e independência aos usuários que irão tatear a codificação.

Instituto Benjamin Constant

Atualmente, o Instituto Benjamin Constant é mais do que uma escola que atende crianças e adolescentes cegos, surdocegos, com baixa visão e deficiência múltipla; é também um centro de referência, a nível nacional, para questões da deficiência visual, capacitando profissionais e assessorando instituições públicas e privadas nessa área, além de reabilitar pessoas que perderam ou estão em processo de perda da visão.

Ao longo dos anos, o IBC tornou-se também um centro de pesquisas médicas no campo da Oftalmologia, possuindo um dos programas de residência médica mais respeitados do País. Através desse programa, presta serviços de atendimento médico à população, realizando consultas, exames e cirurgias oftalmológicas.

O Instituto é comprometido também com a produção e difusão da pesquisa acadêmica no campo da Educação Especial. Através da Imprensa Braille, edita e imprime livros e revistas em Braille, além de contar com um farto acervo eletrônico de publicações científicas.


UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2020 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pela AGTIC - Agência de Tecnologia da Informação e Comunicação da UFPR