Universidade Federal do Paraná

Menu

Ciência e Tecnologia

Pesquisador propõe alternativa para resolver o problema do excesso de candidatos no sistema eleitoral brasileiro

Superintendência de Comunicação Social     27 de agosto de 2021 - 12h13

Em meio a tantos debates públicos sobre reforma política e o sistema eleitoral brasileiro, a sociedade se pergunta se o Brasil realmente tem candidatos demais. O número de candidatos inscritos na Justiça Eleitoral tem batido recordes a cada ano eleitoral. De acordo com levantamento realizado pelo Portal de Notícias G1, só em 2020 foram mais de 500 mil solicitações. Desse número, quantos foram eleitoralmente relevantes e quantos não foram? Isso é considerado um grande problema para os partidos e para os eleitores.

A reforma eleitoral de 2017 colocou fim às coligações para eleições proporcionais — em que o eleitor escolhe ser representado por determinado partido e, preferencialmente, pelo candidato por ele escolhido. Contudo, caso o político por ele escolhido não seja eleito, o voto será somado aos demais votos da legenda, compondo a votação do partido ou coligação. Esse sistema é usado para determinar os cargos de vereador, deputado estadual e deputado federal. Com isso, os partidos introduziram muitos candidatos para ganhar o maior número de votos possível e conseguir colocar alguém na Câmara Municipal.

A principal alternativa a esse formato encontrada pelos políticos e atualmente em debate é chamada de “distritão”, proposta predileta de boa parte dos líderes partidários e considerada um retrocesso por cientistas políticos. De acordo com esse sistema, seriam eleitos os candidatos mais votados em cada estado, sem a proporcionalidade dos votos recebidos pelas legendas. Nos últimos anos, a intenção de adotar o distritão já foi discutida e rejeitada pelo plenário da Câmara duas vezes, em 2015 e 2017.

O pesquisador Márcio Carlomagno, que defendeu sua tese de doutorado no Programa de Pós-Graduação em Ciência Política (PPGCP) pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), apresentou, no I Colóquio do Observatório de Elites Políticas e Sociais do Brasil,  uma alternativa tanto ao distritão, quanto ao retorno das coligações proporcionais.

Para Carlomagno, a grande vantagem do distritão é criar um incentivo para que partidos lancem somente alguns candidatos, aqueles realmente competitivos. Foto: Antonio Augusto/Ascom/TSE

“Tenho pesquisado sobre o distritão desde 2015 e o que percebi é que há remédios alternativos para o mal que se quer combater. O diagnóstico do problema, realizado pelos dirigentes partidários, está correto : há candidatos demais nas eleições proporcionais. O distritão é uma solução para isso. Mas há uma solução muito mais simples e sem os efeitos colaterais que o distritão traz”, argumenta. Segundo os dados compilados pelo pesquisador, em média apenas 40% do total de candidatos a deputado federal, estadual e vereador têm alguma relevância eleitoral.

A proposta defendida pelo cientista político é a alteração do artigo 10 da Lei de Eleições (lei nº 9.504/1997), que estabelece: “Cada partido ou coligação poderá registrar candidatos para a Câmara dos Deputados, a Câmara Legislativa, as Assembleias Legislativas e as Câmaras Municipais no total de até 150% (cento e cinquenta por cento) do número de lugares a preencher”. Conforme a lei, se o Paraná tem, por exemplo, 30 deputados federais, cada partido pode lançar até 45 candidatos, contribuindo para a poluição do ambiente informacional.

Carlomagno defende a redução deste número para 75%. “Cheguei a esse valor proposto a partir da análise dos dados empíricos. É um patamar muito acima do que os partidos conseguem obter atualmente e não teria nenhum viés, em termos de prejudicar alguma força partidária especifica”, avalia.

De acordo com o autor, o objetivo principal da pesquisa é contribuir efetivamente para o debate público. “Trata-se de medida plausível e factível de ser aprovada, que melhoraria consideravelmente o ambiente político brasileiro para líderes e organizações partidárias, candidatos e eleitores”.

O Observatório de Elites Políticas e Sociais do Brasil é o grupo de pesquisa do PPGCP/UFPR. Os artigos debatidos no Colóquio em breve serão organizados e lançados em forma de livro, pelo Observatório. Enquanto o livro não está disponível, uma prévia dessa pesquisa  foi publicada no blog do jornal Estado de São Paulo (Estadão), em uma parceria com o Observatório de Elites, da UFPR, para ampliar a divulgação científica.

Por Felipe Reis com assessoria do Observatório de Elites Políticas e Sociais do Brasil

Sob supervisão de Jéssica Tokarski


UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2021 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pela AGTIC - Agência de Tecnologia da Informação e Comunicação da UFPR