Universidade Federal do Paraná

Menu

Ciência e Tecnologia

Pesquisa da UFPR transforma resíduos de cervejaria em matéria-prima para produção de alimentos

Superintendência de Comunicação Social     11 de novembro de 2021 - 12h03

Uma pesquisa desenvolvida no Programa de Pós Graduação em Agronomia – Produção Vegetal da Universidade Federal do Paraná  (PGAPV/UFPR) utiliza resíduos descartados da produção cervejeira para produzir shiitakes (Lentinula edodes), um tipo de cogumelo comestível. O estudo de mestrado de Gabriel Dias de Oliveira, vai ao encontro das discussões mundiais sobre minimizar os impactos ambientais e propõe uma estratégia de agricultura sustentável ao propiciar a reutilização de biomassa (matéria orgânica), a reciclagem de nutrientes e a geração de novos produtos. 

Dias decidiu pesquisar sobre o assunto ao ser procurado pelo produtor e proprietário da Fazenda Cogumelos do Vale Europeu, em Santa Catarina. Ele explica que o contato aconteceu devido à quantidade de resíduos provenientes da produção de cervejas artesanais na região catarinense que, por serem de difícil destinação, geralmente são levados a aterros sanitários ou doados para criadores de gado, para a alimentação animal. Esse processo gera custos indesejáveis para a empresa.

O pesquisador então constatou que o bagaço do malte de cevada possui as características químicas exigidas pelos fungos que geram cogumelos comestíveis e poderia ser utilizado na fungicultura. “Assim conseguiríamos  transformar um material que causa impacto ambiental e gera custo para as empresas que o produzem em uma matéria-prima viável e acessível para os produtores de cogumelos que necessitam de novas tecnologias para o setor se desenvolver”, explica.

A tecnologia, uma nova matéria-prima eficiente para os produtores, mostrou-se funcional substituindo as matérias suplementares que já são utilizadas ou misturadas a elas. Para Dias, os resultados da pesquisa são inovadores, pois consistem na transformação de um resíduo considerado lixo no setor agroindustrial em algo necessário, com potencial, eficiência, viabilidade e acessibilidade. “Do ponto de vista da agroindústria, é a transformação do custo em lucro. Do ponto de vista do setor agrícola da produção de cogumelos comestíveis, significa evolução, inovação e crescimento produtivo, tendo em vista as projeções favoráveis de crescimento que o setor da fungicultura tem pelo mundo”, afirma. 

Apesar das adversidades que enfrentou durante o desenvolvimento da investigação no mestrado, como poucas pesquisas na área e dificuldade em conseguir parcerias, a realização do estudo foi também uma realização pessoal para o pesquisador. “Eu quero fazer a diferença para as pessoas e desenvolver esta pesquisa me permitiu isso. Trouxe um sentimento de que eu posso e consigo ajudar” relata.

Dias  teve contato com a tradição da vida rural em sua cidade de origem, Venda Nova do Imigrante, no interior do estado do Espírito Santo. Essa vivência o ensinou a enfrentar as dificuldades e o instigou a se mudar para Curitiba e persistir na pesquisa. “Sempre me alimentei com esse sonho de fazer a diferença no mundo e sei que tenho capacidade e potencial para isso. Desde muito cedo estive envolvido com tradições e conceitos de vida simples e bonitos da vida rural, os quais trago sempre comigo para não ceder às dificuldades”, relembra.

Para a orientadora da pesquisa, a professora Francine Lorena Cuquel, do Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade da UFPR, a excelência do estudo está em usar a reciclagem ecológica para produzir um alimento saudável. 

A dissertação de mestrado foi defendida em junho de 2021 e, em julho, Dias ingressou no doutorado, buscando dar continuidade às descobertas. Nessa nova etapa, ele espera que o estudo permita encontrar caminhos para inserir o uso dos resíduos na fungicultura em escala comercial. “Descobrimos que é possível o uso deste resíduo, mas ainda existem problemas a serem resolvidos para que ele possa ser inserido e utilizado no mercado agrícola pelos produtores”, explica. 

Entre as respostas que ele pretende buscar durante a pesquisa no doutorado estão como melhor armazenar o material e como aumentar a produtividade dos cogumelos. O pesquisador também quer descobrir se a produção de alimentos a partir da reciclagem ecológica pode ser aplicada a outros tipos de resíduos. “Esperamos ser capazes de entender todo o conjunto de fatores que envolvem essa produção, principalmente com foco nas respostas do fungo cultivado. Se conseguirmos compreender o todo, podemos aumentar a aplicabilidade do estudo para outros resíduos que tenham características similares e, assim, causar um grande diferencial para o meio ambiente, para os setores que produzem grandes quantidades de resíduos e para a produção de cogumelos”, explica. 

A pesquisa de mestrado foi desenvolvida com as parcerias da Cervejaria Blumenau, que cedeu o resíduo, e da Funghi & Flora, que cedeu o material biológico. Para seguir com o estudo durante o doutorado, Dias busca novas parcerias. 

Por Letícia Barbosa Ribeiro
Sob orientação de Jéssica Tokarski


UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2021 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pela AGTIC - Agência de Tecnologia da Informação e Comunicação da UFPR