Universidade Federal do Paraná

Menu

Extensão e Cultura

Exposição de painéis com histórias de refugiados será lançada dia 19 no Campus Rebouças

Superintendência de Comunicação Social     10 de junho de 2019 - 11h33

A UFPR é membro da United Nations Academic Impact (Unai), rede de universidades da ONU e se compromete a manter e aprofundar sua atuação nas áreas-chave da rede, todas relacionadas às metas de desenvolvimento sustentável da Agenda 2030 das Nações Unidas.

Densas tramas da memória de quatro pessoas refugiadas – Amr, da Síria; Fabrice, do Haiti; Jaqueline, do Benin, e Natasha, da Venezuela – são retratadas na exposição “Bordas Urbanas”. Os painéis com as narrativas visuais são resultado de uma colaboração entre o artista curitibano Seth Dazrua, a designer Marcela Mity e a idealizadora do projeto e estudante do curso de Psicologia da UFPR, Maria Beatriz Maia, em homenagem a pessoas refugiadas. O lançamento acontece no dia 19 de junho, das 14h às 21h, com uma grande intervenção artística e cultural no Campus Rebouças.

A iniciativa ocorre na véspera do Dia Mundial do Refugiado [20 de junho] e leva em consideração a crescente necessidade de afirmação de um lugar social de reconhecimento para essa população. A programação conta com apresentações e oficinas culturais, além de comidas típicas.

A mostra faz parte do movimento “Arte Urbana como Refúgio”, caracterizado por ser uma corrente de intervenção urbana que busca levar visibilidade para a causa das pessoas refugiadas, por meio da arte, para que várias pessoas em todo o mundo se envolvam com este tipo de propósito. A ação também recebe o apoio do Laboratório de pesquisa Interagir, coordenado pelo professor Josafá Moreira da Cunha.

De acordo com Maria Beatriz, esse tipo de ação impacta diretamente a percepção de alunos refugiados sobre a universidade, como sendo um lugar acolhedor ou distante. “É importante que existam espaços inclusivos que representem a identidade cultural dessas pessoas, afirmando sua presença. É essencial que essas pessoas se reconheçam na universidade, por isso a importância de haver espaços onde elas possam se expressar, serem vistas e compreendidas”.

Os painéis são parte de uma intervenção urbana itinerante, que passará por todos os campus da UFPR e por centros culturais de Curitiba, com o objetivo de homenagear a presença de pessoas refugiadas no maior número de espaços.

Iniciativas

A idealizadora do movimento “Arte Urbana como Refúgio”, Maria Beatriz, dedica-se ao trabalho com pessoas em condição de refúgio em Curitiba pelo programa da UFPR Política Migratória e Universidade Brasileira (PMUB). Entre os anos de 2014 e 2018, o PMUB atendeu cerca de 5 mil refugiados e migrantes.

No início do ano durante uma viagem à Espanha, a estudante de Psicologia desenvolveu um projeto que conecta arte, sustentabilidade e refugiados. Confira a matéria completa.