Universidade Federal do Paraná

Menu

Extensão e Cultura

Nova tradução de obra de Heinrich Böll será lançada nesta sexta (12); programação integra Semana da Língua Alemã

Superintendência de Comunicação Social     12 de abril de 2019 - 12h10

O Complexo da Reitoria da Universidade Federal do Paraná abre as portas, nesta sexta-feira (12), para o lançamento da nova tradução da obra “A honra perdida de Katharina Blum”, de Heinrich Böll, vencedor do prêmio Nobel de Literatura em 1972. O evento ocorre às 19 horas, no hall de entrada do prédio Dom Pedro I, e integra uma série de atividades ligadas à Semana da Língua Alemã 2019, que acontecem em todo o País.

Participam do lançamento a tradutora Sibele Paulino e o professor da UFPR, especialista da trajetória de Böll e docente de língua e literatura alemãs, Paulo Astor Soethe, que posfaciou a obra.

A narrativa conhecida mundialmente foi escrita em 1974 e gira em torno do assassinato de um jornalista pela jovem Katharina Blum. A obra ganha novas dimensões com o atual domínio dos meios de comunicação digitais, em particular o fenômeno das fake news.

Semana da Língua Alemã 2019

A 4ª edição da Semana da Língua Alemã acontece entre os dias 05 e 14 de abril. A iniciativa surgiu das Embaixadas da Alemanha, Áustria, Bélgica, Luxemburgo e Suíça, em cooperação com seus consulados e parceiros culturais no Brasil, por meio da ideia de que uma língua abre portas para entender melhor a cultura de outros países.

A semana reúne mais de 800 eventos em todo o Brasil, incluindo exibição de filmes, aulas demonstrativas de alemão, workshops, oficinas de teatro, atividades para crianças e apresentações musicais.

Um dos objetivos da Semana da Língua Alemã é despertar o interesse dos brasileiros para o idioma alemão – língua mais falada na Europa.

Sinopse do Livro

Breve e extraordinariamente contundente, “A honra perdida de Katharina Blum”, trata dos mecanismos de difamação e violência psicológica a que estão submetidos cidadãos comuns mesmo em democracias estabelecidas como a Alemanha Ocidental dos anos 1970. Escrito nessa época (1974), é um relato seco que, se nunca perdeu fôlego, ganha novas dimensões com o atual domínio dos meios de comunicação digitais, em particular o fenômeno das fake news. Sua atualidade e precisão são um desdobramento coerente da obra do autor, Heinrich Böll (1917-1985), prêmio Nobel de Literatura de 1972 e dono de uma percepção crítica e impiedosa de seu tempo.

Katharina Blum é uma jovem que vive de serviços domésticos, numa rotina organizada e sem sobressaltos. Conhece um homem numa festa de carnaval e passa a noite com ele em sua casa. A polícia a procura no dia seguinte para interrogá-la, uma vez que o recém-conhecido, chamado Ludwig Götten, é suspeito de vários crimes. O caso adquire notoriedade e passa a ser um filão rentável para um diário sensacionalista identificado no livro como O JORNAL, disposto a “provar” que Katharina é cúmplice de Götten. Sua vida é escrutinada e virada ao avesso para o deleite de uma parte da opinião pública. Suspeitas, depoimentos mal-intencionados e mentiras servem para construir (ou destruir) uma personalidade tida como culpada. Katharina é acusada de abandonar seus pais idosos, ser sexualmente promíscua, ter simpatias esquerdistas, esconder uma riqueza de origem obscura e fazer “estranhos” passeios noturnos de carro. A pressão sobre Katharina leva a um desenlace trágico, revelado já nas primeiras páginas do livro.

A trama tem relação direta com um episódio da vida do autor, que havia sustentado uma polêmica com o jornal sensacionalista Bild, o mais lido do país. Na abertura do livro, Böll subverte ironicamente a tradicional declaração de que o enredo e os personagens são fictícios acrescentando: “Se, em descrições de certas práticas jornalísticas, surgirem semelhanças com as do jornal Bild, isso não se deu por acaso ou premeditação; foi, isso sim, inevitável.” O escritor, que pautou sua vida pela defesa dos direitos humanos e por uma análise quase clínica do passado da Alemanha, havia se engajado por um julgamento justo – isto é, que obedecesse às garantias fundamentais do estado de direito – dos líderes da organização terrorista Fração do Exército Vermelho (conhecida como Grupo Baader- Meinhof) diante de acusações sem provas publicadas na imprensa. Uma campanha difamatória foi lançada pelo Bild contra Böll, qualificado de defensor de terroristas – e seguiu-se uma revolta de leitores que incluiu ameaças de morte.

A honra perdida de Katharina Blum foi publicado originalmente pela revista Der Spiegel, a mais conceituada da Alemanha, não sem algum desentendimento com o autor. No ano seguinte, foi lançada a versão cinematográfica do livro, dirigida por Margarethe von Trotta e Volker Schlöndorff, que mais tarde realizaria a versão de O tambor, de Günter Grass. Böll era um dos escritores mais lidos do país, e tanto o livro como o filme alcançaram ampla repercussão dentro e fora da Alemanha.

(Com informações da Editora Carambaia)


UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2019 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pelo Centro de Computação Eletrônica da UFPR