Universidade Federal do Paraná

Menu

Ensino e Educação

Ir à horta e observar os animais são recursos para aproximar crianças da natureza no distanciamento

Amanda Miranda     17 de agosto de 2020 - 9h30

“Déficit da natureza” foi um conceito criado pelo norte-americano Richard Louv para questionar uma desconexão dos cidadãos urbanos com o mundo natural. A pandemia do novo coronavírus e as regras de distanciamento social e isolamento podem estar ampliando esse déficit, especialmente entre as crianças que começam a se conectar com esse outro mundo. Os estudos do professor Amauri Betini Bartoszeckdo Laboratório de Metabolismo Celular, Neurociência e Educação em Ciência Emergente da UFPR, destacam a importância de expor a criança à natureza e estimular sua expressão. 

O professor tem trabalhado com a análise de desenhos coletados nas escolas para identificar o que as crianças sabem sobre vidas como o sapo e a formiga, por exemplo. Personagens de desenhos e da literatura infantil, eles também são objetos de análise e elementos da educação científica na infância. “Não acredito necessariamente que o isolamento possa aumentar o déficit da natureza, o que temos visto é programas escolares que trazem uma visão mais filosófica da natureza e exploram pouco o mundo natural na prática”, argumenta. 

Explorar o mundo natural, na prática, seria ir a ambientes como os museus de história natural e promover passeios para espaços como o Jardim Botânico, por exemplo. Mas na ausência dessa possibilidade durante a pandemia e com as escolas operando no modelo de ensino remoto, recursos como uma horta ou mesmo o pátio de casa podem contribuir. “É possível minimizar o stress de ficar em casa plantando uma muda e pedindo para que a criança acompanhe o seu crescimento, medindo uma vez por semana, por exemplo”, recomenda. 

Contato da criança com a natureza deve ser estimulado (Foto: Imagem de congerdesign por Pixabay)

Outro recurso que serve como estímulo é associar o trabalho de observação da natureza com os desenhos. Nas suas pesquisas, o professor estimula as crianças a desenharem o que imaginam haver fora e dentro dos bichos para ter acesso ao conhecimento que eles já trazem sobre o mundo natural. Mas, em casa, a atividade também pode contribuir com uma finalidade lúdica e auxiliar para o desenvolvimento progressivo da atividade motora fina 

“Tem de escolher um momento em que a criança quer o lápis e a folha e estimulá-la, questionando, por exemplo, se ela acha que pode desenhar um pássaro que pode estar perto. É necessário forçar a imaginação para vencer esse momento de afastamento da escola”. O professor recomenda, por exemplo, que em casas com pátios se use recursos para atrair os pássaros. Ele mesmo utiliza frutas picadas como um chamariz.  

O professor lembra, ainda, que esse tipo de atividade, em contato com a natureza, a horta ou o pátio de casa, com a proposta de estimular também a produção artística, pode incluir aqueles que não têm acesso a computadores. “Penso que as artes visuais podem ser mais bem exploradas e a criança sempre aprende muito em interação com o ambiente”. 

Estudos têm o objetivo de contribuir com os currículos de Ciências 

Dois dos estudos mais recentes do professor buscam compreender como as crianças veem bichos como os sapos e as formigas, a partir dos seus desenhos. A proposta é utilizar histórias infantis para incorporar o mundo natural aos pequenos, estimulando-os a narrarem suas impressões por meio da arte. 

“Como se pode ensinar nas escolas se não sabemos o que as crianças já sabem?”, questiona o professor. Suas investigações têm justamente o objetivo de captar essas informações por meio da coleta de desenhos. Sobre os sapos, por exemplo, identificou que elas são ajudadas por representações de livros infantis e documentários de TV, mas as crianças mais velhas enfatizam com mais propriedade o que aprenderam em sala de aula. O hábito de ir a espaços em que podem entrar em contato com esses animais é um estímulo necessário, por isso a visita a ambientes com essa finalidade é atividade importante. 

Interação é indispensável para aprendizagem (Foto: Imagem de Cheryl Holt por Pixabay)

Um outro trabalho tentou captar a percepção das crianças da pré-escola e primeiros anos do ensino fundamental sobre formigas e seus habitats. Uma das conclusões foi de que a compreensão dos pequenos sobre o inseto está ligada principalmente ao contexto biológico, ao lugar onde elas vivem e observam os animais. “Com essas atividades nós podemos descobrir, com dados experimentais, o que pode ser melhorado nos novos currículos”, pontua Bartoszeck. 

Ativo nas pesquisas em neurociência, o professor reforça que a criança aprende a partir das suas interações, o que estimula suas sinapses.  De acordo com ele, é o estímulo a essas atividades, balanceadas com a visitação a lugares em que o mundo natural esteja apresentado, que vai dar mais repertório, desde a infância, aos indivíduos sobre o mundo em que vivem. 


UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2020 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pela AGTIC - Agência de Tecnologia da Informação e Comunicação da UFPR