Universidade Federal do Paraná

Menu

+ UFPR

Inaugurada placa em homenagem a Enedina Marques, primeira engenheira negra do País e formada na UFPR

Superintendência de Comunicação Social     20 de novembro de 2018 - 15h45

Formada pela UFPR em 1945, a primeira engenheira negra do Brasil, Enedina Alves Marques, foi homenageada com uma placa instalada no prédio administrativo do Setor de Tecnologia, em Curitiba, nesta terça-feira (20/11), Dia Nacional da Consciência Negra. O descerramento da placa ocorreu durante uma solenidade com a presença do reitor, Ricardo Marcelo Fonseca, e do diretor do setor, Horacio Tertuliano Filho, além de pró-reitores, professores, alunos, representantes de associação de classe e familiares da homenageada. Como engenheira civil, Enedina Marques foi responsável por obras importantes no Paraná, entre elas o levantamento topográfico da Usina Hidrelétrica Capivari-Cachoeira.

A dedicação aos estudos e a coragem para romper barreiras foram duas características da história de Enedina Marques lembradas na fala de convidados. “A mensagem que gostaria de deixar é que Enedina vive nos estudantes que conseguem se formar contra todos os obstáculos sociais”, declarou o reitor Ricardo Marcelo. Filha de empregada doméstica, e doméstica ela mesma na adolescência, a engenheira persistiu nos estudos, geralmente em classes noturnas. Assim conseguiu terminar primeiro o magistério e, depois, a Faculdade de Engenharia do Paraná, onde se formou aos 32 anos.

Na foto, Paulo Vinícius Baptista, da Sipad; Regina Pombo Rodriguez, vice-diretora do Setor de Tecnologia; o reitor Ricardo Marcelo Fonseca; a vice-reitora Graciela de Muniz; a estudante Fernanda Lopes, de Engenharia Civil; o diretor do setor, Horacio Tertuliano Filho; e a pró-reitora Maria Rita César, da PRAE. Ao lado, a placa em detalhe. Fotos: Marcos Solivan/Sucom-UFPR

O pioneirismo de Enedina, que inspira a presença de mulheres negras em profissões ligadas à tecnologia, foi abordado por alunos de Engenharia nas manifestações de duas organizações estudantis: o Coletivo de Estudantes Enedina Alves Marques, que defende o feminismo negro; e o Núcleo de Pesquisa de Relações Raciais, Ciência e Tecnologia (Nupra), inaugurado neste ano no Politécnico para viabilizar pesquisas na área com viés racial.

“Por causa da força e da perseverança dessa mulher, que quebrou barreiras diariamente, é que nós estamos aqui”, disse Fernanda Lopes, estudante do 4.º ano de Engenharia Civil e integrante do coletivo.

Iniciativas

Durante a cerimônia, foram levantadas propostas para a manutenção e o fortalecimento das políticas de diversidade da UFPR — que, no caso das ações afirmativas de reserva de vagas, começaram em 2004, ainda antes da Lei de Cotas (n.º 12.711/12).

Uma das sugestões, que partiu de estudantes e foi mencionada pelo professor Paulo Vinícius Baptista, da Superintendência de Inclusão, Políticas Afirmativas e Diversidade (Sipad), é a de que a universidade tenha seu Dia da Consciência Negra no calendário acadêmico, para que o dia 20 de novembro seja dedicado a ações de representatividade negra e conscientização contra o racismo.

A proposição já foi submetida ao Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe). Segundo Baptista, seria uma forma de compensar a ausência do feriado em Curitiba. A data é feriado em pelo menos 1.047 municípios brasileiros, de acordo com levantamento da Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) — são 5.570 no total.

Enedina Marques foi professora antes de se formar em Engenharia Civil, aos 32 anos. À esq., retrato de formatura; e, à dir., com as colegas professoras. Fotos: Reprodução

O professor Horacio Tertuliano Filho adiantou que será levada ao colegiado a proposta para que o auditório do setor — o segundo maior da UFPR — receba o nome de Enedina Alves Marques. A sugestão foi endossada pelo reitor, que afirmou que a gestão fará campanha pela aprovação da ideia.

Ricardo Marcelo também classificou o histórico das políticas pela diversidade da UFPR como “patrimônio”, consolidado com a inovadora criação da Sipad em 2017. O reitor afirmou que a universidade resistirá a ameaças de extinção da Lei de Cotas. “Se acontecer a revogação da lei, nós vamos lastimar. Mas faremos uso da autonomia universitária para manter a política aqui na UFPR, para que pelo menos esta universidade continue a bandeira”, disse.

A solenidade contou, ainda, com a presença do cônsul do Senegal, Oziel Moura dos Santos; dos professores Zaki Akel Sobrinho, reitor da administração anterior; André Duarte, da Agência UFPR Internacional; Leandro Gosdorf, da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (Proec); Maria Rita César, da Pró-Reitoria de Assistência Estudantil (Prae); Graciela de Muniz, vice-reitora; Vanessa Rasoto, da UTFPR; o presidente do Conselho Regional de Engenharia (Crea/PR), Ricardo Rocha; e José Rodolfo De Lacerda, presidente do Instituto de Engenharia do Paraná (IEP).

Biografia

Apesar de Enedina Marques ter seu nome registrado no Livro do Mérito do Sistema Confea/Crea desde 2006, e inscrito no Memorial à Mulher Pioneira do Paraná, sua história ainda é pouco abordada, segundo estudos recentes apontam. Ela cresceu na casa dos patrões da mãe, em Curitiba, e completou a educação básica com apoio dessa família. A mãe, Virgília, se desdobrou para sustentar os filhos sozinha depois de se separar do marido.

A cerimônia de formatura de Enedina, em dezembro de 1945, ocorreu sem a presença de familiares, no Palácio Avenida, no Centro de Curitiba. A engenheira se formou ao lado de 32 colegas homens, muitos dos quais passaram os anos de faculdade sem dirigir palavra a ela, segundo depoimento deixado por um antigo colega.

Atualmente, restam poucas pessoas da família de Enedina, entre elas a sobrinha, Lizete Marques, de 80 anos. A professora aposentada recorda-se da tia como uma mulher forte e inspiradora, ainda que não exatamente calorosa. “Ela não era dada a abraços, não era aquela coisa de ‘titia’, mas foi um exemplo para mim, porque na minha família poucos estudaram. Minha avó falava: ‘olha a sua tia, veja como ela estuda'”. Com o incentivo — que Enedina não teve em sua época –, Lizete se formou em Educação Física há 50 anos.

Recentemente, a biografia da engenheira foi tema de um trabalho de conclusão do curso de História – Memória e Imagem da UFPR, elaborado pelo aluno Jorge Luiz Santana. Um artigo baseado na monografia pode ser lido neste link.

Veja aqui mais fotos da solenidade


UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2020 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pela AGTIC - Agência de Tecnologia da Informação e Comunicação da UFPR