Universidade Federal do Paraná

Menu

Ensino e Educação

Família doa acervo completo do professor Gândara para curso de Turismo da UFPR

Aline Fernandes França     5 de abril de 2019 - 12h11

A família do professor José Manoel Gonçalves Gândara, falecido no mês de março, doou todo o acervo do docente, com obras nacionais e internacionais, para a Universidade Federal do Paraná. As aproximadamente 400 obras serão disponibilizadas, em breve, para estudantes e pesquisadores.

Composto por exemplares raros, o acervo doado para a UFPR traduz a personalidade de José Manoel Gonçalves Gândara em sua carreira acadêmica, diz o professor Vander Valduga. “Seu acervo será de muita importância para acadêmicos de graduação e pós-graduação em Turismo, Hospitalidade e Geografia, pois sua atuação era interdisciplinar”.

A chefe do Departamento de Turismo da UFPR, professora Laura Alice Rinaldi, destaca que o acervo contém, inclusive, periódicos completos de instituições internacionais. “Com a incorporação destas obras à biblioteca, teremos, provavelmente, um dos melhores acervos de Turismo do Brasil”, conta a docente, que foi orientada pelo professor Gândara no mestrado. “Tenho certeza de que o ‘Zé’ está muito contente em ver esse acervo sendo utilizado por várias pessoas. Ele sempre emprestava o material e tornava fácil o acesso a todos”.

Trajetória

Formado pelo curso de Turismo da UFPR, Gândara foi aluno do docente Miguel Bahl em 1986. “Já nessa época ele se caracterizava como um aluno inquieto e sempre em busca de novidades, tendo sido meu monitor e bastante interativo entre seus colegas. Também participou do Centro Acadêmico de Turismo e de eventos e atividades da Associação Brasileira de Bacharéis em Turismo”, recorda Bahl.

Após a formação, Gândara iniciou uma série de cursos no exterior, na Itália e na Espanha e, em 1995, ingressou no quadro de professores da UFPR. “Ele fez parte do crescimento do curso de graduação em Turismo e da criação do Programa de Mestrado em Turismo da universidade, em 2013”, conta o docente Miguel. “Em paralelo, Gândara se envolveu em muitas atividades de parceria com instituições de ensino e pesquisadores de vários países, passando a publicar textos e artigos em coautoria com professores, pesquisadores e seus orientandos de mestrado e doutorado, bem como, em ações com entidades brasileiras, estaduais e municipais”.

Foto: Marcos Solivan

José Manoel Gonçalves Gândara, chamado pelos colegas de “Zé”, dedicou sua vida à pesquisa e é considerado o pesquisador brasileiro da área de Turismo com maior quantidade de artigos científicos publicados no Brasil e no exterior. “Apesar de sua partida precoce, aos 53 anos de idade, deixa um legado de também ter contribuído para a formação de vários profissionais e ex-orientandos que passaram a atuar na área de Turismo. Em 2018, Gândara recebeu o a distinção de Pesquisador Emérito pela Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo”, destaca Bahl.

Nesta semana, Gândara foi homenageado por professores, autoridades e estudantes dos Programas de Pós-graduação em Ciências para o Desenvolvimento, Sustentabilidade e Turismo da Universidade de Guadalajara, no México.

Observatório de Turismo

Entre os legados do professor Gândara para a UFPR e a área de Turismo está o Observatório de Turismo do Paraná (Obstur). Idealizado pelo docente, o Obstur nasceu de uma iniciativa do Fórum de Coordenadores de Cursos Superiores de Turismo e Hotelaria do Paraná, organizado pelo curso de Turismo da Universidade Federal do Paraná (UFPR) em 2008. Os encontros realizados entre as instituições públicas e privadas apontaram a escassez de informações e pesquisas sobre a atividade turística no estado do Paraná, bem como a falta de articulação e divulgação dos dados existentes, dificultando a gestão da atividade turística.

“O ‘Zé’ trouxe da Espanha a ideia do Observatório e apresentou para o Fórum. Ele idealizou esse trabalho de congregar pessoas, fomentar pesquisas, dados e parcerias que permitissem o desenvolvimento do Turismo”, relata a professora Juliana Medaglia, que atualmente é coordenadora executiva da Obstur. “O Observatório era a menina dos olhos do Gândara e ele me convidou para atualizar as informações e retomar o trabalho”.

O Observatório tem como objetivo geral desenvolver o turismo de forma sustentável no Paraná e facilitar o planejamento e a gestão pública e privada da atividade. Para isso, o projeto busca meios de fomentar o fornecimento e a gestão de dados e informações e incentiva a utilização de tais dados para a tomada de decisões conscientes e acertadas.

Sob coordenação estratégica do professor José Manoel Gonçalves Gândara, o Observatório de Turismo do Paraná foi estruturado em uma Rede de informações, um Comitê de especialistas, com vertente acadêmica e técnica; um Escritório, localizado no Departamento de Turismo da UFPR, e um Centro de documentação, constituído principalmente de forma virtual para facilitar o acesso e disseminação da informação.

O Observatório é um núcleo do Departamento de Turismo da UFPR, que envolve professores, estudantes de graduação e pós-graduação no desenvolvimento de diferentes projetos de pesquisa e extensão, por demandas dos poderes públicos, instituições privadas e do próprio Conselho Estadual de Turismo. Com a divulgação, o Obstur tornou-se referência e fomentou a criação de uma rede de observatórios nacionais.

O professor Osiris Ricardo Bezerra Marques, da Universidade Federal Fluminense, relembra trabalhos desenvolvidos com o professor Gândara, por meio da parceria entre o Observatório de Turismo do Paraná e o do Rio de Janeiro. “Desenvolvemos, compartilhamos e aplicamos metodologias em eventos, como as Olimpíadas. O trabalho dos observatórios supre a oferta de informações na área de turismo, que é tão escassa de dados confiáveis”, conta. “Os observatórios desempenham um papel fundamental na produção de informações e análises, além de auxiliar os órgãos públicos a desenharem melhor os planos diretores de turismo”.

Entre 2016 e 2017, Marques foi orientado por Gândara no doutorado da UFPR. “Foi um momento brilhante de relação com o ‘Zé’”, lembra.