Universidade Federal do Paraná

Menu

Extensão e Cultura

Exposição no MusA homenageia Adalice Araújo

Superintendência de Comunicação Social     30 de setembro de 2014 - 1h16

Exposição "Visita guiada – A coleção do MusA e a crítica Adalice Araújo" - foto Ana Assunção

Exposição "Visita guiada – A coleção do MusA e a crítica Adalice Araújo" (foto: Ana Assunção)

Está aberta no Museu de Artes da UFPR (MusA) a exposição “Visita guiada – A coleção do MusA e a crítica Adalice Araújo”. A exposição segue até o dia 21 de novembro e traz obras de 14 artistas que tiveram suas trajetórias comentadas pela pesquisadora e crítica de arte Adalice Araújo, as obras são seguidas de textos da autora sobre os artistas.

O trabalho surgiu como parte do projeto que catalogou e disponibilizou para consulta pública mais de mil textos da crítica de artes. Os escritos, publicados na imprensa a partir da década de 1960, fazem parte do acervo do Museu de Arte Contemporânea do Paraná (MAC). A curadoria da exposição é do professor Paulo Reis, do Departamento de Artes da UFPR. A Pró-reitora de Extensão e Cultura da universidade, Deise Picanço, abriu a exibição, destacando a importância do diálogo entre as instituições, como o MusA e o MAC, para o cenário cultural da cidade e os benefícios da integração entre os projetos de pesquisa e os espaços culturais.

Adalice Araújo foi historiadora, poeta e artista plástica, a partir da década de 60 teve um papel importante como crítica de arte e também na descoberta e apoio a várias gerações de artistas paranaenses. Adalice lecionou na Universidade Federal do Paraná e na Escola de Música e Belas Artes do Paraná, colaborou para a criação do curso de Educação Artística da UFPR, dirigiu o MAC e foi uma das fundadoras do MusA. Faleceu no ano de 2012, aos 81 anos.

Mais imagens da abertura no Flicker da UFPR: clique aqui

Paulo Reis, curador da exposição, e Deise Picanço, Pró-reitora de Extensão e Cultura da UFPR - Abertura da exposição “Visita guiada – A coleção do MusA e a crítica Adalice Araújo” - foto: Ana Assunção

Paulo Reis, curador da exposição, e Deise Picanço, Pró-reitora de Extensão e Cultura da UFPR - Abertura da exposição “Visita guiada – A coleção do MusA e a crítica Adalice Araújo” (foto: Ana Assunção)

Entrevista com Paulo Reis

A ideia da exposição

Paulo Reis – Há dois anos e meio eu venho com um projeto de iniciação científica com quatro bolsistas. Eles estão indexando a produção crítica de Adalice Araújo que está no acervo do MAC. São cerca mil textos críticos publicados em jornais de Curitiba. Em torno deste trabalho vem a pesquisa para começar a entender o projeto crítico da Adalice. Como temos essa ligação entre o Departamento de Artes (da UFPR) e o MusA, eu comecei a pensar em como finalizar esse projeto, para mostrar o que foi realizado nestes dois anos de pesquisas. Então sugeri para o Ronaldo (Côrrea, Coordenador de Cultura da UFPR) que uma exposição seria uma grande homenagem para a Adalice e um bom momento para tornar o projeto público. A partir disso pensamos nesta exposição com obras do acervo do MusA com trechos de críticas da Adalice Araújo não diretamente sobre as obras mas sobre os artistas, daí a ideia desta visita guiada.

Importância da indexação dos textos

Paulo Reis – Este levantamento vai para o MAC e vai auxiliar na consulta que estará aberta ao público. Um arquivo que tinha uma importância de guarda, agora se torna um arquivo vivo, pois permite a pesquisa dos textos por assuntos e pelos artistas tratados. É possível pesquisar um artista, como Geraldo Leão ou Alfredo Andersen, um momento como o do Salão Paranaense (de Belas Artes) de 64 e assim ver o que a Adalice Araújo estava pensando e escrevendo naquele momento e sobre aquele artista.

Sobre Adalice Araújo

Paulo Reis – A importância da Adalice, para ser bem sintético, é de alguém que escreveu cerca de mil textos que eram publicados todos os domingos nos jornais de Curitiba entre 1969 e 1993. Ela produziu uma crônica dos acontecimentos relacionados à arte, uma reflexão sobre muitos artistas, é um material fantástico, acho que é um caso muito peculiar não só em Curitiba mas mesmo se pensarmos no Brasil. Ela constrói, de certa maneira, um paradigma de pensamento da arte no Paraná ao fazer certas argumentações, criar grupos, como o de artistas informais, artistas do Objetivismo Visual, a Geração Joaquim… traçando seus interesses artísticos e características. Enfim, nós podemos concordar, discordar, talvez agregar mais densidade a estas genealogias que ela criou, mas a obra está posta e acho que é um ponto de partida importante para a gente pensar o que acontecia e mesmo o que acontece até hoje na arte paranaense.

Serviço

Exposição “Visita guiada – A coleção do MusA e a crítica Adalice Araújo”

De 25 de setembro a 21 de novembro de 2014 –  De segunda a sexta, das 09h00 às 18h00 e sábados, das 09h00 às 13h00

Rua XV de Novembro, 695 1º andar – Centro – Curitiba – PR

Telefone: 41-3310-2603

Entrada Franca

 Por Rodrigo Choinski