Universidade Federal do Paraná

Menu

Ciência e Tecnologia

Escola Paranaense traz visão de quatro pesquisadoras sobre filosofia e história da ciência

Superintendência de Comunicação Social     11 de julho de 2019 - 12h36

Termina nesta quinta-feira (11) o evento Escola Paranaense de História e Filosofia da Ciência e da Tecnologia (Escola HFC&T), promovido pela Universidade Federal do Paraná e pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná. A programação foi marcada por proporcionar um espaço formativo para o ensino e a pesquisa, e pelo encerramento da disciplina transversal “Filosofias da ciência e da tecnologia”, ofertada pela Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PRPPG) da UFPR.

A visão feminina sobre filosofia e história da ciência foi o tema do curso principal do evento, ministrado pelas pesquisadoras Patrícia K. Leite (UFMG); Luciana Zaterka (UFABC); Indianara L. Silva (UEFS) e Leyla M. Joaquim, pesquisadora da Universidade Federal da Bahia, que conduziu a palestra final sobre a pesquisa e a história da ciência presente, com destaque para a maternidade na ciência. “Esse evento com a ideia de dar visibilidade para as pesquisadoras foi de uma sensibilidade incrível, tanto do ponto de vista da história da ciência, como da situação acadêmica e política. Está sendo muito bom”, avalia Leyla.

Pesquisadora da UFBA, Leyla M. Joaquim. Foto: André Filgueira

Realizada no Teatro da Reitoria da UFPR, a Escola HFC&T reuniu, em quatro dias de atividades, estudantes de graduação e pós-graduação e professores de todo o Brasil, com interesse nos temas da história e da filosofia da ciência e da tecnologia para fins de formação profissional e acadêmica.

Veronica Calazans, professora da UTFPR e organizadora do evento, lembra que em dez anos de Escola Paranaense vários temas foram abordados do ponto de vista do conhecimento e agora o evento apresenta esse recorte exigido pela sociedade. “É urgente o debate sobre a questão da mulher na ciência. As palestrantes mostraram como essa barreira, que parece invisível, existe e impede a mulher de ascender e tomar posições de liderança na ciência, embora as estatísticas mostrem que as mulheres produzem ciência tanto quanto os homens, mesmo com a dificuldade em obter o reconhecimento devido a essa produção”, ressalta.

Foto: André Filgueira

O Pró-reitor de Graduação e Educação Profissional da UFPR, Eduardo Barra, explica que a oferta da disciplina transversal pela PRPPG atraiu grande parte do público do evento, incluindo pesquisadores de outros programas. “Nosso objetivo com a disciplina foi oferecer as reflexões desse campo do conhecimento sobre a atividade como cientista e pesquisador em várias áreas”, afirma. “Eles tiveram oportunidade de complementar isso agora, com a visão de quatro jovens pesquisadoras especialistas nesse campo. É de enorme importância a maneira como estamos encerrando o evento, chamando a atenção também para as questões de gênero ligadas a esse grupo de conhecimento”.

A Escola HFC&T participa, ao lado da Escola USP de História das Ciências e da Escola de História da Ciência da UFMG, da Rede Brasileira de Escolas de História da Ciência.