Universidade Federal do Paraná

Menu

Extensão e Cultura

Últimas notícias...


Histórico de notícias

Equipes da UFPR são finalistas de competição internacional de startups

Aline Fernandes França     13 de março de 2019 - 12h22

Duas das cinco equipes finalistas da competição HackBrazil, vinculada à Brazil Conference at Harvard & MIT, são formadas por alunos da Universidade Federal do Paraná. Os grupos disputam a fase final do torneio no mês de abril em Boston, Estados Unidos (EUA). A HackBrazil busca brasileiros que podem fazer a diferença para o País, com a proposta de acelerar startups, montar protótipos e conectar pessoas para que soluções concretas resolvam os problemas.

As equipes classificadas foram aprovadas em duas etapas anteriores – a seleção inicial e a fase de desenvolvimento, em que os projetos com maior potencial foram conectados aos ecossistemas das instituições americanas e receberam mentoria on-line durante três meses. A competição teve cerca de 400 equipes inscritas e apenas cinco disputam as premiações.

Organizada por alunos brasileiros da Universidade de Harvard e do MIT (Instituo de Tecnologia de Massachussetts), a HackBrazil faz parte da Brazil Conference – evento que reúne, anualmente, grandes nomes do País para discutir e apresentar painéis sobre os atuais desafios do Brasil. Neste ano, a conferência acontece entre 05 e 07 de abril.

Os finalistas apresentarão seus projetos para uma banca de jurados no evento. O primeiro lugar receberá uma premiação no valor de R$ 75 mil; e o segundo lugar, R$ 25 mil, para investir no desenvolvimento da ideia.

Equipe Instok está entre as cinco classificadas para a final da HackBrazil. Foto: Marcos Solivan

Instok
A simples negociação de compra de um tênis levou Gabriel de Oliveira, estudante do curso de Arquitetura e Urbanismo da UFPR, a criar a empresa Instok. Ao lado dos sócios Gustavo Motta, acadêmico de Engenharia Elétrica, e do egresso do curso de Engenharia de Produção, Diogo Miloco; Gabriel desenvolveu a busca de soluções para o excesso de estoque.

“Quando fui comprar o tênis, fiz a oferta para adquirir uma unidade que estava parada em estoque ou da estação passada e fechamos a compra. Saí da loja com o modelo de negócio”, conta Gabriel.

A Instok conecta lojas com excesso de estoque a clientes que procuram compras financeiramente atrativas, promovendo a economia circular e a sustentabilidade. O trio criou a proposta, que viabiliza a compra e venda de produtos parados, voltada inicialmente para o segmento têxtil, e iniciou as atividades com as etapas de pesquisa, validação da ideia e da tecnologia.

“Começamos a visitar lojas de vários shoppings e confirmamos o problema diretamente na fonte, que é o varejista. Conseguimos 50 itens, testamos em plataforma gratuita e deu certo. Começamos então a desenhar uma tecnologia específica”, explica Gabriel.

A solução é dividida em duas partes: os lojistas encontram a gestão de pedidos e produtos no site, enquanto os clientes acessam os dados de estoque e ofertas no aplicativo. A ideia é oferecer produtos baratos, com agilidade e possibilidade de retirada no mesmo dia.

O grupo aponta que há em média dois mil itens parados por loja. A empresa deve começar atendendo poucos varejistas para validar os pontos da tecnologia e, posteriormente, expandir, contemplando até novos segmentos.

Durante os três meses em que a empresa recebeu treinamento de investidores, empresários e alunos ligados às instituições americanas, a equipe da Instok abriu os horizontes para a estratégia de mercado. “Pensávamos em focar nossa empresa em Curitiba, mas os mentores da competição nos explicaram que o negócio deve ser escalável para fora do Brasil. Isso mudou bastante o projeto. O melhor prêmio que ganhamos é participar da HackBrazil e estar lá”, destaca Gustavo Motta.

A empresa Instok será lançada oficialmente para o público após a Brazil Conference.

Foto: Marcos Solivan

Veia empreendedora

Os três sócios respiram empreendedorismo. Com vontade de fazer o negócio dar certo e muita disposição para trabalhar até mesmo durante as madrugadas, Diogo Miloco conta que as experiências anteriores no mercado de trabalho não o motivaram. “Trabalhei em empresas grandes e pequenas e vi que o empreendedorismo é a única opção para mim porque proporciona uma grande liberdade. A melhor sensação é solucionar o problema de forma criativa e ver as pessoas usando algo que criamos”, diz.

O forte perfil empreendedor dos estudantes fez Gabriel buscar novas formas de conhecimento e assumir a presidência da Liga de Empreendedorismo da UFPR. “Ser finalista de uma competição desse nível com pessoas tão boas já é uma vitória intangível, não só para o negócio, mas para nós como empreendedores”, completa.

Equipe NextCam também disputa a competição.

NextCam

A empresa NextCam também está entre os finalistas da HackBrazil. Criada pelos estudantes do curso de Engenharia Elétrica da UFPR, Adriano Peniche dos Santos e Guilherme Vogt e pelo egresso Luis Guilherme de Souza, a startup traz soluções para a construção civil.

A empresa usa a visão computacional para evitar acidentes em obras e para controlar o absenteísmo – considerado um grande desafio para o setor. “Temos como objetivo evoluir como empresa, fomentar o desenvolvimento tecnológico e inovação e no futuro gerar oportunidades, sendo exemplo para alunos da própria universidade”, diz Guilherme.

A equipe desenvolveu uma tecnologia dotada de inteligência artificial, capaz de identificar riscos e realizar ações preventivas em cada etapa da obra a partir de imagens de câmeras instaladas em locais estratégicos dos canteiros de obras. O software detecta situações de risco em tempo real e ainda gera relatórios que podem subsidiar a elaboração de medidas preventivas voltadas para a segurança do trabalho.

Sistema desenvolvido pela NextCam usa a inteligência artificial.

De acordo com Guilherme, o sistema aprende com imagens do ambiente e se aprimora com o tempo. “Quanto mais tempo a câmera observar os mesmos cenários, mais ela aprende e mais preciso são os dados coletados”.

A NextCam surgiu a partir do estágio dos alunos em uma startup na Alemanha. Iniciado em abril de 2018, o projeto foi incentivado pelo professor James Baraniuk e integra a Academic Working Capital (AWC), iniciativa de empreendedorismo universitário do Instituto TIM.

“Estamos ansiosos em ir para Boston e temos a expectativa de fazer a startup crescer com o prêmio da HackBrazil”, conclui o estudante.


Outras notícias

UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2019 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pelo Centro de Computação Eletrônica da UFPR