Universidade Federal do Paraná

Menu

Ciência e Tecnologia

Dissertação sobre a vida das benzedeiras recebe menção honrosa em prêmio nacional

Aline Nunes     23 de dezembro de 2020 - 14h48

A pesquisa abordou as benzedeiras como sujeitos políticos e de direitos. Foto: Douglas Fróis (MAE/UFPR).

“A vida das benzedeiras: caminhos e movimentos”, de Taisa Lewitzki, recebeu menção honrosa no prêmio ANPOCS (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais) 2020 na categoria dissertações. A pesquisa concorreu com trabalhos das regiões Sul, Centro-oeste e Distrito Federal. O prêmio é o principal das Ciências Sociais no Brasil. A pesquisa de mestrado foi desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Antropologia e Arqueologia da UFPR, com orientação da professora Liliana Porto.

“É um trabalho sólido, com uma experiência de uma década de trabalho com as benzedeiras. (…) É uma temática que ela (a pesquisadora) conhece também pela vida, pela militância no movimento. A menção honrou a qualidade do trabalho da Taisa e a solidez da pesquisa dela”, comemora a professora.

A pesquisa

A metodologia etnográfica proporcionou um mergulho na vida e rotina das benzedeiras. Foto: Douglas Fróis (MAE/UFPR).

Taisa acompanha o trabalho das benzedeiras desde 2008, quando participou de um encontro de 150 mulheres que exercem as práticas tradicionais de cura, como benzedeiras, curadeiras, costureiras de rendiduras, remedieiras, parteiras e massagistas tradicionais. Durante o evento, a pesquisadora ouviu denúncias sobre preconceito: “a partir de então, comecei a contribuir com a organização sociopolítica das benzedeiras através do Movimento Aprendizes da Sabedoria (MASA). Tal processo me instigou a entender o movimento social das benzedeiras no interior paranaense e suas implicações no âmbito da política, das mulheres e do meio ambiente”.

Faxinais

A pesquisa de campo foi realizada no centro sul do Paraná, em comunidades tradicionais de faxinais, comunidades rurais, vilas e bairros de pequenas cidades. A metodologia etnográfica proporcionou contato intenso e prolongado com as benzedeiras: por quatro meses Taísa morou com essas mulheres e compartilhou seus cotidianos.

As benzedeiras contribuem com a preservação da
biodiversidade local, por meio do uso sustentável das plantas medicinais. Foto: Douglas Fróis (MAE/UFPR).

Os resultados da pesquisa apontaram a importância das benzedeiras – mulheres idosas e camponesas – na manutenção da vida e na promoção da saúde popular da região. “Além disso, a organização sociopolítica das benzedeiras inaugura uma forma singular de fazer política, que tem como protagonistas mulheres idosas e camponesas que articulam conhecimentos tradicionais de cura, saberes e fazeres mágico-religiosos, somados aos conhecimentos sociológicos sobre a localidade, os quais se vinculam às redes de relações sociais que apresentam um modo de vida específico dos povos e comunidades tradicionais do centro sul do Paraná”, explica a pesquisadora.

Clique aqui para conhecer a dissertação.

Lei

A dissertação da Taísa também foi usada na elaboração do projeto de Lei Estadual n. 877/2017 que resultou na Lei Estadual n. 19.689/2018, que reconhece as benzedeiras como patrimônio cultural imaterial do Estado do Paraná.

Curta Ciência

A dissertação sobre a vida das benzedeiras também conquistou o Prêmio Curta Ciência da UFPR, na categoria Antropologia e Arqueologia. A premiação é organizada pela Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRPPG).

 


UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2021 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pela AGTIC - Agência de Tecnologia da Informação e Comunicação da UFPR