Universidade Federal do Paraná

Menu

Extensão e Cultura

Conhecido por explicar fenômenos de luz a crianças, Projeto Lux quer inovar em apresentação no Paiol Digital em 30/4

Camille Bropp     24 de abril de 2019 - 11h20

Cheias de luzes coloridas, feixes de raio laser e nuvens de fumaça, as apresentações do Projeto Lux encantam e levam ciência a crianças desde 2017 — o público total está estimado em 8 mil alunos de escolas da região de Curitiba. No próximo dia 30 de abril, porém, o desafio será diferente. O projeto de extensão sediado no Departamento de Engenharia Elétrica (Delt) da UFPR será a atração de abertura da próxima edição do Paiol Digital, evento de empreendedorismo da Agência Curitiba de Desenvolvimento.

Ao aceitar o convite, a equipe se dispôs a cumprir duas tarefas: condensar a apresentação dos fenômenos de luz ao tempo máximo de 20 minutos e trazer inovações para conquistar um público adulto.

Parte da equipe do Lux (da esq. para a dir.): os alunos Matheus Lana Fernandes, Jaqueline dos Santos Silva e Gabriel Gubert; a arquiteta Maristela Ono; e o professor James Baraniuk, do Departamento de Energia Elétrica. Fotos: Nicolle Schumacher/Sucom-UFPR

Por conta disso, a rotina de ensaios tem sido intensa na Sala de Reuniões do prédio da Engenharia Elétrica, no Campus Politécnico. A equipe, que reúne alunos de graduação sob supervisão do professor James Baraniuk, trabalha para fechar os últimos pontos da apresentação, que trará novidades, como performance de dança e recursos teatrais. A intenção é apostar em recursos artísticos para entreter a nova plateia. “Sentimos o peso de fazer a apresentação para um público mais exigente e estamos correndo atrás”, brinca Baraniuk.

O Lux surgiu em 2016 como projeto de extensão com apoio de um edital do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), mas atualmente está desdobrado em dois projetos. Um deles é a “Exposição de Luzes”, dentro do qual foram montados uma mostra e as apresentações “Luz, Ciência e Emoção: exposição interativa para crianças”, levadas a escolas. Em outubro, esse projeto deve trazer à UFPR uma feira de ciências para crianças, focada nas luzes, com 40 equipes formadas em escolas públicas municipais.

O outro projeto é o de elaboração de materiais didáticos sobre os fenômenos de luz. Uma das formas de divulgação desses materiais é por meio de vídeos, que podem ser acessados pelo canal da UFPR TV no YouTube. Cada vídeo aborda uma curiosidade associada a luzes, com a devida explicação e uma sugestão de experimento “faça-você-mesmo” para que crianças realizem em aula.

“Luz, Ciência e Emoção”

O conteúdo das apresentações do “Luz, Ciência e Emoção” reúne histórias da ciência em torno do uso das luzes e dos cientistas, além de demonstrações sobre os fenômenos de luz. Portanto, estão lá os primórdios do uso da luz e da sombra pelo homem e os cientistas que se dedicaram a estudar óptica — do físico Isaac Newton, que fez experimentos com prismas, até nomes não tão conhecidos por isso, como o poeta Johann Wolfgang von Goethe. Também é citado o desenvolvimento da astronomia e das tecnologias associadas à confecção e ao uso de lentes e de fibras ópticas.

As ferramentas usadas pelo Lux nas apresentações (do alto, em sentido horário): decomposição da luz em cores; dispersão da luz em diferentes densidades; relógio de sol; e lentes

Uma inovação que deve marcar a apresentação no Paiol Digital são momentos de interatividade com a plateia. “Nossa ideia é trazer os princípios da luz de forma integrada à arte. Será uma performance com movimento”, conta Maristela Mitsuko Ono, arquiteta formada pela UFPR que colabora na concepção artística do “Luz, Ciência e Emoção”.

Equipe

A equipe do “Luz, Ciência e Emoção” é composta por cerca de dez pessoas, a maioria estudantes de graduação da UFPR. Além de ajudarem nos experimentos e em todo o trabalho de bastidores exigido pelas apresentações, eles têm atuação relevante na construção do roteiro. Como o objetivo do Lux é divulgação científica, a associação entre arte e física para a criação dos espetáculos tem se mostrado um estímulo a mais na motivação dos estudantes. “Acho que é a parte mais interessante de trabalhar no projeto”, conta Matheus Lana Fernandes, de 22 anos, estudante de Engenharia Elétrica.

Essa intersecção significa que, além de conhecerem muito bem a história e a explicação científica dos fenômenos de luz, os estudantes precisam ser criativos sobre as formas de abordá-los em cena e até sobre o desenvolvimento de recursos cênicos. Gabriel Vitor Gubert, também de 22 anos, ajudou na criação e na concepção do relógio de sol, por exemplo. Ele acredita que o trabalho no projeto traz à tona a curiosidade que moveu os primeiros cientistas. “É como trazer esse ludismo para a ciência de novo”.

Paiol Digital

O Lux se apresentará na abertura da 11ª edição do Paiol Digital, no dia 30 de abril, às 19 horas, no Teatro Paiol. O evento ocorre mensalmente e busca o engajamento de pessoas conectadas ao mundo do empreendedorismo, da inovação e das novas tecnologias.

As inscrições são gratuitas, mas já estão esgotadas.

No evento, ainda haverá a participação de cinco palestrantes: Marcos Piangers, autor do best seller “O papai é pop”; Mauricio Noronha e Rodrigo Brenner , criadores da Furf Design, primeira empresa brasileira a receber o Leão de Cannes em Product Design; João Pedro Novochadlo, um dos fundadores da Veever, que criou um aplicativo para ajudar deficientes visuais; e Débora Reis, head de recursos humanos da Totvs.

Saiba mais sobre a exposição interativa do Projeto Lux aqui

Veja fotos das apresentações do “Luz, Ciência e Ação” neste link

SERVIÇO
Apresentação projeto Lux no Paiol Digital
Data: 30/4, às 19 horas
Local: Teatro Paiol (Praça Guido Viaro, s/n, Prado Velho, em Curitiba)
Inscrição por ingresso solidário (1 kg de alimento); já esgotadas

Mais informações na fanpage do evento no Facebook