Universidade Federal do Paraná

Menu

Ciência e Tecnologia

“Ciência brasileira tem conhecimento para prover dados às políticas públicas”, reforça físico Ricardo Galvão na UFPR

Superintendência de Comunicação Social     3 de outubro de 2019 - 16h33

Ricardo Galvão, professor do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP) e ex-diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), foi o convidado da última semana da tradicional apresentação de seminários organizada pelo Programa de Pós-Graduação em Física da Universidade Federal do Paraná (UFPR). A palestra, que esteve dentro da programação do 1º Festival UFPR de Ciência, Cultura e Inovação, na semana passada, abordou as diversas ocupações e ferramentas utilizadas pelo Inpe no monitoramento dos biomas brasileiros.

Ciência espacial, criação de tecnologias espaciais, meteorologia, observação da Terra e ciências do sistema terrestre constituem áreas de atividade do Inpe. O professor Galvão relembrou o início do trabalho do Instituto com ciência espacial, que em seu primeiro momento focava na interpretação de dados fornecidos por satélites de outros países, mas que logo evoluiu para a produção dos primeiros satélites brasileiros.

Palestra de Ricardo Galvão integrou programação do 1º Festival UFPR de Ciência, Cultura e Inovação. Fotos: Leonardo Bettinelli/Sucom-UFPR

Ao apresentar o “Laboratório de Integração e Teste”, centro responsável pelo desenvolvimento de tecnologias espaciais, Galvão contou que o Inpe teve grande sucesso no desenvolvimento de satélites. No seminário, ele apresentou o “Amazônia 1”, satélite totalmente brasileiro para monitoramento da Amazônia com lançamento previsto para junho de 2020.

O Inpe também é responsável pelo Centro para Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) que oferece revisão do tempo em todo Brasil, além de ser o centro que produz os relatórios brasileiros sobre mudanças no clima fornecidos para o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), maior autoridade mundial a respeito do aquecimento global. Além disso, Galvão mostrou o Centro de Ciência do Sistema Terrestre, que dá a previsão de raios para todo Brasil, além de estudar estratégias que viabilizem o futuro sustentável em todas os biomas do país, com foco no Cerrado e Caatinga.

Ex-diretor do Inpe, Ricardo Galvão ressaltou a preocupação do Instituto em fazer ciência com produtos acessíveis oferecendo aplicação direta para a sociedade

Ricardo Galvão ressaltou a preocupação do Inpe em fazer ciência com produtos acessíveis oferecendo aplicação direta para a sociedade. Ao apresentar o funcionamento do Sistema de Detecção do Desmatamento na Amazônia Legal em Tempo Real (Deter), responsável por diminuir a taxa de desmatamento de 27 mil quilômetros quadrados em 2004 para 4,5 mil quilômetros quadrados em 2012, o professor Galvão alertou para a previsão do Inpe de que a destruição da Amazônia chegue a 10 mil quilômetros quadrados neste ano. Galvão apontou que 20% dos 5,5 milhões de quilômetros quadrados da maior reserva de biodiversidade do mundo já foi destruído e teme que, no ritmo atual, a taxa de desmatamento alcance 40%, valor que levaria a uma irreversível transformação da Amazônia em savana. Ao comentar sobre os recentes casos de incêndio na Amazônia brasileira, ressalta: “apagar o fogo é apagar o efeito, o que tem que ser combatido é o desmatamento”.

Durante a palestra, Ricardo Galvão evidenciou a contribuição do Inpe para a produção científica brasileira. Usou como exemplo o Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes) e o Deter, que, após a adoção de uma política de transparência em 2004, já forneceram dados a mais de 1,3 mil dissertações, teses e citações em revistas científicas. O professor, no entanto, reforça: “eu gostaria que os governos utilizassem mais a ciência brasileira, porque nós temos o conhecimento para prover dados importantes às políticas públicas”.

Assista à palestra completa neste link.

Por Gabriel Ramos
Sob supervisão de Chirlei Kohls
Parceria Superintendência de Comunicação e Marketing (Sucom) e Agência Escola de Comunicação Pública e Divulgação Científica e Cultural da UFPR


UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2021 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pela AGTIC - Agência de Tecnologia da Informação e Comunicação da UFPR