Universidade Federal do Paraná

Menu

Ciência e Tecnologia

Aves marinhas retornam à natureza após cuidados no Laboratório de Ecologia e Conservação da UFPR

Superintendência de Comunicação Social     20 de janeiro de 2020 - 9h03

Um gaivotão (Larus dominicanus) e uma fragata (Fregata magnificens) — também chamada de tesourão — foram reintegrados ao meio ambiente em Pontal do Paraná nesta sexta-feira (17) pelo Laboratório de Ecologia e Conservação (LEC) do Centro de Estudos do Mar (CEM) da UFPR, que executa no Paraná o Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS). As aves foram resgatadas no litoral paranaense em dezembro.

O resultado da soltura será acompanhado por biólogos e veterinários por meio da anilha que as aves receberam assim que tiveram a saúde restabelecida. “Estamos torcendo para que logo sejam avistadas alçando voos em nosso litoral”, diz a bióloga marinha e pesquisadora Camila Domit, que coordena o LEC.

Gaivota se recuperou aos cuidados dos Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos, coordenado no Paraná pela UFPR em Pontal do Paraná. Fotos: PMP-BS/LEC/Divulgação

As aves marinhas fazem parte do grupo composto por 24% do total de animais resgatados pelo LEC que conseguem ficar saudáveis a ponto de poderem ser reintegrados à natureza. “O percentual pode parecer pequeno, mas considerando o estado de debilitação que animais marinhos encalham, entendemos que é expressivo e mostra um bom resultado”, avalia Camila.

Segundo o LEC, o gaivotão foi encontrado debilitado, em 20 de dezembro, provavelmente devido a intoxicação por toxina botulínica (botulismo), causada por alimento contaminado pela bactéria causadora da doença. “Esta doença possivelmente foi a causa de outros encalhes que registramos”, acredita Camila.

Já a fragata, resgatada em 30 de dezembro, foi encontrada com uma laceração na asa esquerda que a impedia de voar. O tratamento da ave durou até que essa capacidade fosse restabelecida.

A Fragata tinha laceração em uma asa.

Depois de receberem os cuidados médicos, as aves passaram por um período de adaptação em um recinto externo do laboratório, onde voltaram a se alimentar, alçar voos e realizar comportamentos de higienização e arrumação das penas.

Confira o momento da soltura:

Sobre o PMP-BS

O Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural no Polo Pré-Sal da Bacia de Santos, conduzido pelo Ibama.

Esse projeto tem como objetivo avaliar os possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, através do monitoramento das praias e do atendimento veterinário aos animais vivos e necropsia dos animais encontrados mortos.

O PMP-BS é realizado desde Laguna (SC) até Saquarema (RJ), sendo dividido em 15 trechos. O LEC/UFPR monitora o Trecho 6 (Paraná), compreendido entre os municípios de Guaratuba e Guaraqueçaba.

Quem avistar tartaruga, golfinho ou ave marinha morta ou debilitada no litoral deve entrar em contato com a equipe através do telefone: 0800 642 3341.

(Com informações do PMP-BS)

Leia mais notícias sobre o CEM-UFPR aqui


UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2020 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pela AGTIC - Agência de Tecnologia da Informação e Comunicação da UFPR