Universidade Federal do Paraná

Menu

Extensão e Cultura

Projeto EKOA orienta comunidades e povos tradicionais sobre Direito Ambiental

Aline Fernandes França     21 de dezembro de 2017 - 15h50

Promover a construção dialogada e coletiva voltada à formação de conhecimentos sobre a legislação socioambiental, para e com agricultores, agricultoras, povos e comunidades tradicionais. É assim que o projeto de extensão “EKOA: Direito Ambiental para tod@s”, criado no curso de Direito da Universidade Federal do Paraná, contribui para a transformação social.

A iniciativa surgiu pela união de dois projetos desenvolvidos na UFPR com características comuns. Oficialmente como projeto de extensão, o EKOA iniciou as atividades em 2016.

Desde então, estudantes e professores promovem ações voltadas a grupos considerados vulneráveis com relação às dimensões do agronegócio – agricultura familiar e camponesa, comunidades e povos tradicionais. “Este público representa a r-existência do modelo de desenvolvimento econômico atual. O diálogo extensionista pretende aproximar as discussões científicas e acadêmicas socioambientais com a realidade para avaliar quais seriam os denominadores que geram conflitos pelo uso e apropriação do território e de que maneira o conhecimento jurídico pode contribuir para garantir o acesso e a efetiva realização de direitos”, define a professora Katya Isaguirre, coordenadora do projeto.

Atividades de Políticas Públicas para a Agricultura Familiar
Agroecológica.
Divulgação: Projeto EKOA

A atuação do projeto ganhou proporções e abrange hoje o Núcleo EKOA no programa de Pós-graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento da UFPR. O trabalho em conjunto rendeu um grupo de pesquisa – EKOA: Direito, Movimentos Sociais e Natureza – e de iniciação científica.

Sete estudantes graduação e quatro pós-graduandos estão envolvidos nas atividades, Flávia Donini Rossito está entre eles. A doutoranda integra o projeto há quase dois anos e acredita que não há outra forma de trabalhar com povos e comunidades tradicionais sem reunir coletivo, pesquisa e interdisciplinaridade. “Acredito na efetividade do EKOA. Conseguimos fazer uma assessoria jurídica popular em vários momentos. Estou bastante feliz enquanto advogada e doutoranda” explica.

Já o estudante de Direito da UFPR, David Kenji Itonaga, participa do EKOA desde que iniciou a graduação. “Atuei em atividades que envolviam a temática da territorialidade e de direitos humanos. Aprendi muito com os povos e comunidades tradicionais”, diz.

David também destaca a importância de desenvolver atividades de extensão. “Estamos devolvendo um pouco de todos nós – estudantes e professores – à sociedade. É uma forma de enfrentar as desigualdades acima de tudo”, analisa.

Demandas da agricultura orgânica

Feira de orgânicos realizada pela AOPA.
Divulgação: Projeto EKOA

A Associação de Agricultura Orgânica do Paraná (AOPA), formada por cerca de 600 famílias, influenciou a criação do EKOA. A Associação realiza a feira de orgânicos, aos sábados, no Passeio Público em Curitiba.

Trabalhei com a AOPA desde 2009, durante minha tese de doutorado. Notei que existia uma carência de conhecimento jurídico voltado à discussão do rural e agrário. Conversamos e surgiu a ideia de criar um projeto de extensão para dialogar coletivamente sobre direitos vinculados aos problemas que eles vivenciam no cotidiano”, conta a coordenadora Katya Isiguirre.

A área de Direito era considerada distante da realidade dos associados, segundo o agricultor José Antonio Marfil, que faz parte da coordenação da AOPA. “Essa parceria foi muito importante, aproximou a agricultura familiar e a universidade. Tínhamos muitas dúvidas e eles nos ajudaram”, conta, referindo-se às atividades realizadas pelo projeto.

O grupo da UFPR realizou oficinas de direitos nas assembleias da AOPA até o final de 2016 e construiu em conjunto a Cooperativa de Agricultores Orgânicos e de Produção Agroecológica (COAOPA). Os debates nas oficinas abordaram temas como soberania e segurança alimentar, direito humano à alimentação adequada, legislação sobre sementes, contaminação dos orgânicos/agroecológicos, entre outras temáticas.

Parceiros e ações do EKOA

Muitas demandas chegam até o EKOA pelas parcerias estabelecidas com instituições em geral. Além disso, há parceria com o Enconttra do curso de Geografia da UFPR – Coletivo de Estudos sobre Conflitos pelo Território e pela Terra – e com o Centro de Pesquisa e Extensão em Direito Socioambiental da PUC-PR (Cepedis).

Desde o último ano, o projeto também participa de oficinas na Jornada de Agroecologia do Paraná.

As dúvidas referentes ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) levou também os faxinalenses – povos que utilizam terras tradicionalmente ocupadas, conciliando atividades agrossilvipastoris com a conservação ambiental – a buscarem orientação do EKOA. Por meio dessa articulação o Ekoa e os grupos parceiros (Cepedis e Enconttra) concluíram um estudo para caracterizar o modo de vida dos povos e comunidades tradicionais, beneficiando oito segmentos: faxinalenses, ilhéus, pescadores artesanais, indígenas, benzedeiras, quilombolas, cipozeiros e caiçaras.

Atualmente, o projeto da UFPR participa de ações no Acampamento Agroflorestal José Lutzenberger, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), localizado no município de Antonina no litoral do Paraná. O grupo do MST congrega a produção de alimentos livres de agrotóxicos e a recuperação da Mata Atlântica da região por meio da agroecologia.

A produção envolve soberania alimentar, uma vez que ao mesmo tempo que produzem alimentos saudáveis, recuperam a natureza em plena Mata Atlântica, até então devastada pela bubalinocultura”, relata a doutoranda Flávia.

Inscrito pelo EKOA e pelo Cepedis (Centro de Pesquisa e Extensão em Direito Socioambiental da PUC-PR), o acampamento agroecológico foi vencedor do prêmio Juliana Santilli de Agrobiodiversidade 2017, do Instituto Socioambiental – ISA. O grupo receberá intercâmbio de parceiros que queiram conhecer a iniciativa.

A premiação contempla iniciativas que promovem a conservação da biodiversidade. “Pretendemos dar visibilidade nacional e internacional à causa, a partir da extensão, em comprometimento com a transformação da realidade social”, explica Flávia.

Pesquisa-ação

O projeto EKOA utiliza a metodologia de pesquisa-ação. De acordo com a equipe, a prática exige habilidades específicas para manter o diálogo com diferentes grupos.

A estratégia é ir para a realidade e construir em conjunto, a partir do que encontramos no local. Pensamos em extensão universitária como ato comunicativo”, descreve a coordenadora Katya.

Flávia Rossito reforça que o objetivo é assumir o compromisso com a transformação social, começando pelo próprio meio. “A ideia é não separar a universidade do povo e dos movimentos sociais, e realizar a construção conjunta. A extensão é uma forma encontrada para aproximar a universidade da sociedade, bem como trazer o conhecimento popular para a ciência, porém, sem a apropriação desse conhecimento. O protagonismo é do povo”, explica.

Desafios e futuro do projeto

O projeto EKOA tem duração até 2020. A coordenadora Katya avalia que o saldo das atividades é positivo. “O EKOA vem de um somatório de outros projetos e representa a maturidade de todo o percurso que fizemos”, diz.

Um dos possíveis desdobramentos do projeto está focado na interdisciplinaridade. Porém, há preocupação com o futuro do EKOA.

O desafio do EKOA é dar continuidade ao processo de diálogo sobre direitos dos agricultores, agricultoras, povos e comunidades tradicionais. Os cortes no orçamento das universidades federais nos deixam preocupados com a manutenção do projeto”, conclui Katya Isiguirre.


Outras notícias

UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2018 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pelo Centro de Computação Eletrônica da UFPR