Universidade Federal do Paraná

Menu

Ensino e Educação

Projeto Conviver capacitará professores da educação básica para identificar e combater violência no ambiente escolar

Aline Fernandes França     2 de março de 2018 - 15h02

Agressões intencionais e repetidas, violência psicológica, ameaças constantes são fatores que podem configurar a prática do bullying. As vítimas geralmente apresentam sinais como angústia, sentimento de humilhação e até isolamento do meio social. Um projeto da Universidade Federal do Paraná vai capacitar profissionais de 114 escolas de Curitiba e região  metropolitana  para o reconhecimento e o enfrentamento de situações dessa natureza. A aula inaugural acontece neste sábado (3).

O grupo de pesquisa Interagir, do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Paraná, estuda questões relacionadas ao bullying há quatro anos. Uma das preocupações dos pesquisadores é como identificar as vítimas e agressores no ambiente escolar.

O trabalho deu origem ao projeto Conviver. A iniciativa está entre quatro propostas nacionais selecionadas pelo Ministério da Educação para a formação de profissionais da educação básica voltada para a educação em direitos humanos e diversidade.

Os projetos escolhidos receberam aporte financeiro para promover a formação continuada pela modalidade aperfeiçoamento, com foco na prevenção e combate à violência, ao preconceito e à discriminação no ambiente escolar.

A implantação do projeto nas escolas foi precedida de oficinas para os tutores. Fotos: Daniel Patire

Por meio de módulos online, o projeto da UFPR vai atender mais de 370 professores e gestores de 114 escolas de Curitiba e quatro municípios da região metropolitana. As instituições participantes apresentam diferentes perfis: escolas rurais, indígena, instituições municipais, estadual e particular; e educação de jovens e adultos.

O objetivo do Conviver é capacitar educadores para que reconheçam e adotem estratégias eficazes para monitoramento e atendimento das múltiplas formas de violência, preconceito e discriminação no ambiente escolar. O projeto dá ênfase a casos de bullying.

“Às vezes ignoramos micro-agressões e a violência do cotidiano como se fossem menos importantes. Esperamos uma violência muito grave para intervir, mas os estudos mostram que há prejuízos ao longo da vida, inclusive relacionados à saúde mental dessas vítimas”, afirma o coordenador do projeto, professor Josafá Moreira da Cunha.

Com 23 anos de experiência na área de educação, como professora alfabetizadora e pedagoga nos anos iniciais do ensino fundamental, Adriana Alflen conta que já presenciou bullying em sala de aula. Ela integra a turma do projeto Conviver 2018.

De acordo com a professora, em um dos casos houve discriminação de gênero e a convivência do estudante ficou complicada no ambiente escolar e também familiar. “Era visível o sofrimento do estudante e o despreparo dos docentes que trabalhavam na escola”, relata Adriana que atualmente é diretora do Departamento de Ensino Fundamental no município de São José dos Pinhais.

A expectativa é que o projeto capacite os professores para lidar com tais situações. “Os docentes devem ter clareza de como encaminhar e mobilizar ações para assegurar a garantia de direitos”, diz Adriana. “Após a capacitação o docente terá uma bagagem de conhecimento que o fará refletir e escolher a melhor estratégia de ação pedagógica para garantir a educação em direitos humanos”.

A professora Gabriela Reyes, do Departamento de Educação da UFPR,explica que os professores encontram dificuldade em identificar casos de violência e maus tratos. “No curso, vamos mostrar os principais sinais para identificação de que há algo errado com a criança e, principalmente, como agir diante desses casos”, diz.

Para a professora Adriana, “uma vez que o profissional compreenda o seu papel nessa mediação e execução de estratégias que promovam a Educação Integral do aluno, o professor compreenderá seu papel social e político nas diretrizes da política educacional para educação com qualidade social”.

Grupo de tutores do Projeto Conviver, que vai capacitar 370 professores e gestores de 114 escolas

O coordenador do projeto explica que ao falar de promoção da convivência, o projeto vai além da proposta de acabar com o bullying. “O Conviver quer promover comunidades de pessoas conectadas com relações restauradas de confiança e respeito, em uma instituição em que todos ganham”, afirma.

Aula inaugural e metodologia

Os professores participarão de módulos online e três encontros presenciais. A aula inaugural e o primeiro encontro presencial acontecerá no dia 03 de março, com uma palestra da professora Aída Monteiro, considerada uma das maiores especialistas brasileiras em Educação em Direitos Humanos.

A programação começa às 8h, no Teatro da Reitoria. Além da palestra de abertura “Educar em Direitos Humanos”, haverá oficinas para os cursistas.

Por meio do portal, o projeto oferece acesso à biblioteca de recursos, webconferência e fórum para dúvidas. Vinte profissionais receberam formação para atender aos cursistas.

Durante o projeto, a equipe do Conviver realizará visitas mensais em todas as escolas participantes ao longo do projeto.

Relatório sobre bullying

O Conviver deu seus primeiros passos em 2016, como projeto-piloto. Cerca de 40 professores da educação básica de Curitiba participaram de oficinas ministradas pela equipe da UFPR.

Na época, o grupo de pesquisa realizou um levantamento com mais de 1.200 estudantes de escolas do ensino fundamental de Curitiba.

Os dados mostraram que mais de 57% dos entrevistados já sofreram agressões no ambiente escolar. A pesquisa também apontou que 36,3% sofreram agressões por meio da internet, a chamada cybervitimização.

“Coletamos dados sobre como as crianças estavam e devolvemos para as escolas pensarem seu plano de ação com relação à temática”, conta o professor Josafá.

O levantamento de dados sobre o clima escolar é considerado um dos aspectos principais do projeto. Nesta edição, as informações serão utilizadas como recurso para planejamento de ações pelas escolas e redes de ensino. O relatório descritivo do projeto 2018 deve ser divulgado no mês de abril.

“Nossa Secretaria de Educação considera o Conviver importante dentro de uma política indutora para a elaboração de políticas públicas municipais”, afirma a diretora do Departamento de Ensino Fundamental no município de São José dos Pinhais, Adriana Alflen.

 

Parcerias internacionais

Universidades estrangeiras também estão engajadas no projeto.

A University of Victoria cedeu direitos para adaptação do programa Wits, desenvolvido atualmente em várias regiões do Canadá como estratégia para resolução de conflitos.

A versão brasileira do Witz, batizada de DIGA, será lançada no mês de abril. O DIGA disponibilizará uma série de materiais desenvolvidos em parceria com a instituição canadense.

Durante a realização do projeto Conviver, será produzido um levantamento sobre clima escolar e convivência nas escolas. A ação terá o apoio do professor Jonathan Santo, da Universidade de Nebraska. Durante o mês de março, Santo virá ao Brasil para auxiliar a equipe no processamento e análise dos dados coletados.

Outra parceria vem da University of Indianapolis, com a participação da professora Kendra Thomas, que vai contribuir com o planejamento e análise dos dados sobre clima. A professora americana deve visitar o projeto em Curitiba no mês de maio.

 

Pacto Universitário

A iniciativa do projeto é realizada em conjunto com o Comitê Gestor do Pacto Universitário pela Promoção do Respeito à Diversidade, da Cultura da Paz e dos Direitos Humanos. “A formação democrática e cidadã tem na escola o seu principal espaço de afirmação, mas também de violações. O projeto Conviver traz conhecimento teórico e prático para formulação de estratégias contra variadas formas de violência amparadas nas diretrizes da educação em Direitos Humanos”, afirma o coordenador do Pacto na UFPR, professor Leandro Franklin Gorsdorf.

“Esta ação se insere no horizonte de uma universidade comprometida com os Direitos Humanos e a democracia, principalmente com aqueles pertencentes ao ambiente educacional”, completa Gorsdorf.

O Pacto Universitário pela Promoção do Respeito à Diversidade, da Cultura da Paz e dos Direitos Humanos é uma iniciativa conjunta do Ministério da Educação e do Ministério da Justiça e Cidadania. O objetivo é promover a educação em direitos humanos no ensino superior.

A UFPR aderiu ao Pacto em dezembro de 2016 e é pioneira em ações que promovem os direitos humanos, tendo sido uma das primeiras universidades do País a adotar políticas de cotas e apresentando, com frequência, trabalhos e projetos que refletem e promovem a garantia desses direitos.


Outras notícias

UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2018 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pelo Centro de Computação Eletrônica da UFPR