Universidade Federal do Paraná

Menu

Ciência e Tecnologia

Professora do Departamento de Nutrição orienta sobre alimentação na menopausa

Aline Fernandes França     8 de fevereiro de 2018 - 17h14

Ondas de calor, ansiedade, ganho de peso e alterações na pele: sintomas comuns entre as mulheres que passam pelo período da menopausa. As mudanças hormonais geram diversas alterações no organismo feminino, que exigem redobrar os cuidados, principalmente com os hábitos alimentares.

A dieta requer um cuidado especial, já que uma das principais queixas é o ganho de peso, geralmente na região abdominal.

A professora Regina Maria Vilela, do Departamento de Nutrição da Universidade Federal do Paraná, aponta que a diminuição dos níveis de estrogênio – hormônio sexual feminino – está associada ao aumento de peso. “No entanto, a falta de atividade física, bem como problemas psicológicos que levam à ansiedade e ao consumo compulsivo também influenciam. A gordura da região abdominal não está relacionada somente à estética, mas também ao risco de doenças cardiovasculares e diabetes”, explica.

Os sintomas variam de mulher para mulher. Nos casos em que não há prática regular de exercícios físicos, é necessário reduzir a ingestão de calorias, sem afetar a qualidade da alimentação.

A perda de peso envolve uma alimentação saudável e equilibrada. “A dica é evitar alimentos ultraprocessados, que levam excesso de açúcar, sal e gordura. Dar preferência a alimentos como frutas e hortaliças, arroz e feijão, entre outros”, destaca Regina.

Fogachos

Os fogachos – conhecidos como calorões – são os chamados sintomas vasomotores, que podem ser intensos e reduzir a qualidade de vida da mulher neste período.
A nutricionista esclarece que há muita discussão sobre estratégias alimentares que poderiam contribuir para amenizar tais sintomas na menopausa.

“O grupo de compostos químicos alimentares que poderiam contribuir com a melhora são os fitoestrogênios, componentes de origem vegetal que se assemelham quimicamente ao hormônio estrogênio”, diz. A lista de fitoestrogênios inclui soja, extratos de soja e suplementos de fitoesteróis, principalmente a ginesteína.

Regina Vilela também afirma que muitos trabalhos foram realizados nesse sentido e, até o momento, não há comprovação da ação efetiva dos alimentos. “Quando estudos bem desenhados são avaliados, efeitos contraditórios são encontrados”, informa.

Compostos químicos e compostos vegetais

Por outro lado, a nutricionista afirma que os compostos vegetais podem auxiliar no controle dos níveis de lipídeos circulantes, como o LDL colesterol que tende a aumentar na menopausa e está relacionado ao risco cardiovascular, principalmente ligado à aterosclerose – acúmulo de gordura em vasos e artérias.

Os fitoesteróis – compostos químicos vegetais, geralmente encontrado em oleaginosas – também contribuem para a redução do colesterol. “Eles competem com o colesterol no intestino, de forma que há diminuição de absorção, podendo levar à queda dos níveis de colesterol na circulação”, afirma Regina.

As oleaginosas abrangem castanhas e nozes. “O aumento do consumo desses alimentos, associado à redução das calorias provenientes de açúcares, farinhas refinadas e gorduras, bem como o aumento de hortaliças coloridas, é uma boa estratégia para evitar o excesso de peso e colesterol, protegendo a mulher de riscos cardiovasculares e diabetes”, conclui a nutricionista.


Outras notícias

UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2018 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pelo Centro de Computação Eletrônica da UFPR