Universidade Federal do Paraná

Menu

Ciência e Tecnologia

IAP e UFPR monitoram a presença de javalis no Parque Estadual de Vila Velha

Superintendência de Comunicação Social     2 de janeiro de 2018 - 14h35

Pesquisadores do Departamento de Medicina Veterinária da UFPR estão trabalhando em parceria com o Instituto Ambiental do Paraná (IAP) para monitorar a presença de javalis no Parque Estadual de Vila Velha, em Ponta Grossa, com a utilização de câmeras de movimento A espécie é considerada exótica invasora e sua presença pode causar danos a espécies nativas do parque e da região.

O projeto –  intitulado “Controle populacional e sanidade de javalis (Sus scrofa) presentes no Parque Estadual de Vila Velha” –  tem o objetivo de avaliar e monitorar a presença e a interação da espécie com a fauna e flora nativas da Unidade de Conservação. O grupo de pesquisa também pretende avaliar as doenças que os javalis podem transmitir para a fauna nativa e doméstica, bem como zoonoses para as pessoas.

 

As imagens são capturadas com o ajuda de armadilhas contendo câmeras com sensores que detectam calor e movimento

Para isso, os pesquisadores se deslocam com GPS dentro do parque para georreferenciar os dados da busca visual, complementada por fotocaptura com armadilhas fotográficas associadas à colocação de alimentos para atrair os animais. Cada uma das armadilhas possui um dispositivo contendo uma câmera fotográfica acoplada a um temporizador e ao sensor, que detecta calor e movimento, disparando automaticamente quando houver a presença de animais.

Além dos javalis, as câmeras já captaram imagens de famílias de catetos com filhotes, um veado e uma onça-parda. Em algumas imagens, foi possível observar morcegos hematófagos (transmissores da raiva) nas costas de alguns javalis.

Impactos

Estudos anteriores realizados no Parque Estadual de Vila Velha já vinham registrando a extensiva ocorrência de javalis nos arredores e interior da unidade de conservação, o que causou preocupação de especialistas. Essa espécie é considerada como exótica invasora e tem causado impacto ambiental em várias regiões do Paraná e do Brasil, inclusive no Parque.

“A presença de espécies exóticas invasoras junto com nativas pode causar uma competição por recursos naturais e por espaço, o que, com certeza, causa prejuízos as espécies originais da Unidade de Conservação”, explica o diretor de Biodiversidade e Áreas Protegidas do IAP, Guilherme Vasconcellos.

Segundo os pesquisadores, já há registros de catetos, espécies nativas, em plantações de grãos nas áreas contiguas ao parque. “Os catetos na região normalmente se alimentam de frutos, folhas, raízes e tubérculos, mas com a concorrência e intimidação dos javalis, as plantações podem ter se tornado a única alternativa para obtenção de alimentos e a sobrevivência”, explicou o professor Alexander Biondo, médico veterinário e coordenador da equipe da UFPR.

Outro impacto observado pela inspeção visual dos pesquisadores é o hábito de escavação (rooting) do solo por parte dos invasores, o que pode acarretar uma diminuição da cobertura vegetal, da diversidade e regeneração natural da flora, desequilíbrio de compostos como fósforo, nitrogênio, magnésio, manganês e zinco, alterando a estrutura e composição do solo.

Espécies invasoras

Os javalis são considerados pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) espécie exótica invasora em todas as suas formas, pois alteram o ecossistema original e a biodiversidade nativa. Eles estão presentes em 46 unidades de conservação nacionais e estaduais.

A origem do javali de vida livre no Brasil é ainda controversa, mas tem-se como um dos principais motivos a importação seguida de fuga em massa desses animais para os ambientes naturais em torno de 1914, resultando na sua difusão e proliferação. Acredita-se que a espécie se estabeleceu no estado do Paraná na década de 1970.

A possibilidade de abrigo, disponibilidade de alimento, ausência de predador natural suficiente para controle da espécie e a presença de extensas áreas de cultivo agrícola de cereais contiguas ao parque, com fácil acesso, contribuíram para a expressiva presença dos javalis no interior do Parque Estadual de Vila Velha e seu entorno.

Parque

O Parque Estadual de Vila Velha foi criado em 1953 para preservar fragmento do bioma Mata Atlântica os campos nativos do Paraná, além das formações de arenito. Tombado como Patrimônio Histórico e Artístico Estadual, tem mais de três mil hectares e diversas atrações, entre elas os Arenitos, Furnas e a Lagoa Dourada.

Entre a fauna presente no parque, já foram encontradas muitas espécies endêmicas e ameaçada de extinção, como o lobo-guará, bugio-ruivo, tamanduá-bandeira, jaguatirica e aves como a águia-cinzenta, papagaio-de-peito-roxo, galito, caminheiro-grande e noivinha-de-rabo-preto.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação – Instituto Ambiental do Paraná

 


Outras notícias

UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2018 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pelo Centro de Computação Eletrônica da UFPR