Universidade Federal do Paraná

Menu

Extensão e Cultura

Festa junina do Celin mostra tradição popular brasileira para estrangeiros que estudam Português

Superintendência de Comunicação Social     13 de junho de 2018 - 17h54

Já virou tradição. Todo mês de junho, há 10 anos, o Centro de Línguas e Interculturalidade (Celin) da UFPR pendura as bandeirinhas, prepara a música e as comidas típicas e promove uma festa junina para que os estrangeiros matriculados no curso de Português como Língua Estrangeira (PLE) conheçam um pouco da cultura popular brasileira. Este ano, a festa aconteceu nesta quarta-feira (13), Dia de Santo Antônio, e reuniu alunos de várias nacionalidades, além de professores e funcionários do Celin.

Os professores e alunos que organizaram a festa capricharam na decoração. As típicas bandeirinhas enfeitavam o teto e as bandeiras de Santo Antônio se destacavam nas janelas. Foi preparada uma mesa com comidas típicas, como pé de moleque, maçã do amor, cachorro quente, canjica, paçoca e o disputado bolo de Santo Antônio.

Norma Müller, bacharel em Letras e analista de projetos educacionais no Celin, conta que a festa faz parte do aprendizado dos alunos no curso de PLE. “A gente ensina aos alunos quais são as partes da comemoração e tudo que está ligado a ela”, fala. Cada turma do curso estuda uma parte da festa e fica responsável por organizá-la. Assim, o evento tinha diversas brincadeiras típicas, como jogo de argolas, pescaria, rabo do burro, boca do palhaço, correio elegante e uma apresentação do casamento, quadrilha e uma banda.

Decoração, quadrilha e comidas típicas: não faltou nada para animar os alunos

De acordo com Norma, o curso tem aproximadamente 80 alunos de várias nacionalidades, como franceses, alemães, mexicanos, hondurenhos, coreanos, japoneses, mongóis, britânicos e americanos. Os alunos gostam principalmente da quadrilha. A dança começa com a turma que participou dos ensaios e depois todos entram na roda. Este ano, os alunos do curso de Português PEC-G, curso específico para quem quer entrar em uma universidade, fizeram uma apresentação de banda com os mais diversos instrumentos.

Norma: “A festa faz parte do aprendizado. Cada turma estuda uma parte e fica encarregada de organizá-la”. Fotos: Nicolle Schumacher – Sucom/UFPR

Julio Marques, que é professor de português do PEC-G, conta que cada aula é um desafio diferente. “A maioria dos alunos nunca estudou o português e escolheu o Brasil por causa da curiosidade pelo novo”, conta o professor. “Toda vez que a gente tem um desafio a gente tende a melhorar”, comenta Julio sobre as dificuldades em lidar com tantas culturas diferentes em uma sala de aula. “Mas uma coisa importante é que eles se relacionam muito bem entre si, já que estão juntos no mesmo processo”, finaliza.

O estudante de Letras Danilo Hatori, que também dá aulas de Português, foi responsável por realizar a oficina de forró e de instrumentos para os alunos. “Eles se mostraram muito receptivos e dedicados, então foi muito divertido”, comenta. Para ele, introduzir os alunos nessas festas vai muito além da questão linguística. “Aprender sobre o que é o Brasil envolve mais do que só o idioma. A festa é parte do processo de aprender estar aqui”, fala.

Hatori comenta que dá aula para alguns refugiados de guerra que querem continuar suas vidas no Brasil, e diz que atividades como a festa junina contribuem para as relações interpessoais e o conhecimento cultural: “Ela aproxima os alunos, faz com que se sintam mais integrados”.

Integração

E os estudantes se divertiram muito. Marella Pimental é do Panamá e está estudando português porque pretende cursar Engenharia Civil na Universidade Federal de Santa Catarina. Ela conta que sua adaptação foi bem fácil, com a ajuda dos professores, que considera muito amigáveis. “Acho que eles têm uma boa forma de ensinar e isso deixa as aulas muito legais”, elogia. Apesar de conhecer poucos lugares no Brasil, Marella adora as praias do litoral catarinense e admira a receptividade dos brasileiros.

Essa característica também é citada por Erick Calderon, de Honduras. Ele conta que a festa junina é bem diferente da cultura hondurenha e que no seu país de origem as pessoas relacionam o Brasil mais com o carnaval. Mas agora que conhece melhor a cultura, ela fica impressionado com a diversidade brasileira. “Os brasileiros são bem diferentes e eu acho muito legal conviver com pessoas com histórias diversificadas”, conta o rapaz, que está há quatro meses em Curitiba e se muda em novembro para Porto Alegre, onde vai cursar Medicina.

Tuanny Eugênio é professora de português e estagiária no Núcleo Tandem do Celin. A turma dela ficou responsável pela banda de forró. “Eles não conheciam as tradições, mas gostam muito de música”, conta. Assim, ela uniu o útil ao agradável e mostrou aos alunos aprender um pouco sobre o forró e a festa junina no Brasil. “Não é só a festa junina. É todo um trabalho ligado à história de tudo isso que acontece ao redor”.

Por Pedro Macedo, sob supervisão de Lorena Klenk

 

Veja mais fotos da festa junina no Flickr da UFPR


Outras notícias

UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2018 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pelo Centro de Computação Eletrônica da UFPR