Universidade Federal do Paraná

Menu

Ciência e Tecnologia

Estratégica para a internacionalização, cotutela garante titulação por universidades estrangeiras

Camille Bropp     18 de junho de 2018 - 14h08

Depois de defender sua tese de doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Geologia da UFPR (PPGG) e conseguir aprovação, o que deve ocorrer em setembro, Bárbara Dressel sairá da banca tendo direito a dois diplomas: um pela UFPR e outro pela Universidade de Montpellier. Além de proporcionar um segundo diploma, a pesquisa de Barbara contou com ferramentas que a ajudaram a avançar durante o estudo na universidade francesa, entre laboratórios, bibliografia e participações em congressos e seminários. Outro diferencial do doutorado de Barbara foi o apoio de um segundo orientador, o professor Alain Chauvet, que somou seu conhecimento ao da professora Barbara Trzaskos, que a orientou na UFPR. “Com um diploma válido no mundo todo, abrem-se muitas portas”, avalia a doutoranda, que quer continuar a carreira de pesquisadora.

Barbara foi uma entre pelo menos 25 doutorandos da UFPR que, segundo dados da Agência UFPR Internacional (AUI), a partir de 2013 participaram (ou estão participando) de um tipo de cooperação internacional chamado de cotutela. Trata-se de uma forma de mobilidade internacional que garante aos alunos de pós-graduação stricto sensu uma diplomação ou titulação simultânea em dois países — no caso, na UFPR e em universidade estrangeira. O contrário também é possível, quando estudantes de universidades estrangeiras querem obter diploma no Brasil.

Bárbara Dressel está prestes a concluir doutorado em Geologia pela UFPR e pela Universidade de Montpellier, na França. Foto: Marcos Solivan/Sucom-UFPR

Segundo dados do Sistema de Integrado de Gestão de Acordos (SiGeA), os acordos de cotutela firmados desde 2013 na UFPR têm como destino principalmente a Europa. As universidades que mais receberam alunos estão na França, mas também foram firmadas cooperações com instituições da Alemanha, Portugal, Itália e Holanda. As áreas de conhecimento são variadas: Direito, Letras, Ciências Farmacêuticas, Química, Sociologia, entre outras. O PPGG é um dos destaques, com  três cotutelas recentes.

Aprimoramento

Para Bárbara Dressel, a cotutela deve aumentar suas possibilidades de continuar na carreira de pesquisadora. “Não só pelo diploma válido no mundo inteiro, mas pelos contatos que fiz fora do país também”, conta. Para a cotutela ser realizada, é preciso que o estudante faça parte dos estudos de doutorado no exterior. A doutoranda estudou na França por um ano.

A partir do momento em que foi matriculada em Montpellier, Barbara teve acesso a todas as ferramentas oferecidas aos doutorandos, o que permitiu que fizesse análises em laboratório que complementaram sua pesquisa. Com isso, ela avalia que sua tese na linha de análise de depósitos minerais, levantando critérios que calculam a chance de existência de ouro em determinadas regiões, pôde avançar muito além do projeto inicial. 

A multiplicação de possibilidades para o pesquisador é a vantagem inegável da cotutela, segundo o professor do PPGG João Carlos Biondi, que intermediou a apresentação da proposta de Barbara aos professores de Montpellier. Como o processo que origina a cotutela começa com o aceite de um professor orientador na instituição estrangeira, a internacionalização dos professores do programa brasileiro se torna uma vantagem. Foi o contato de Biondi com a universidade francesa, por exemplo, que levou à assinatura de um convênio com a UFPR, em 2013. “Como foi em nível institucional, é um convênio amplo. Portanto, qualquer professor, de qualquer disciplina, pode participar”, diz.

Segundo o professor, a cooperação entre as duas universidades tem se mostrado interessante para ambas as instituições. “Os franceses podem pesquisar temas da geologia brasileira e os alunos da UFPR conseguem somar recursos com Montpellier”, explica. “Essa universidade é super capacitada, por exemplo, em datações geológicas, então o aluno da cotutela, quando precisa dessas análises, vai para lá”.

A doutora pelo PPGHis, Carmem Druciak; e o antigo hotel do século XV que funciona como sede da Unité de Formation et de Recherche (UFR) Sciences Humaines et Arts da Universidade de Poitiers. Fotos: Arquivo Pessoal

A professora e tradutora Carmem Druciak, que tem formação em Letras Francês e optou pelo doutorado do Programa de Pós-Graduação em História (PPGHis) da UFPR, classifica a cotutela como uma chance única de aprimorar sua tese. “Vendi o carro e fui, porque não sabia quando teria outra oportunidade como essa”, conta. Trata-se da primeira cotutela firmada pelo PPGHis, sob orientação da professora Marcella Lopes Guimarães.

Na Universidade de Poitier, Carmem foi orientada pela professora Stéphane Boissellier e pôde se debruçar sobre uma bibliografia que não se encontra no Brasil. A tese, defendida no último dia 12, aborda a literatura francesa do período medieval (entre os séculos XIV e XV). “A vida em Poitiers foi muito dinâmica, toda semana havia conferencistas estrangeiros. Houve ainda o acesso a um material atualizado e completo sobre o meu tema”.

Internacionalização

Desde maio, a Resolução 12/17, do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe), regula os processos de cotutela, que passaram a ter origem nos colegiados dos programas e devem ser remetidos à Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PRPPG) e à AUI. Essa foi a forma encontrada pelo Cepe para viabilizar a institucionalização das cooperações com universidades estrangeiras. Isso porque quando os acordos ocorrem em nível institucional, mais doutorandos podem buscar a cotutela.

O pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação, Francisco de Assis Mendonça, observa que as possibilidades de cotutela aumentam à medida que estudantes e orientadores têm experiências internacionais, o que é um bom fator. Ressalta, porém, a importância de que essas iniciativas sejam institucionalizadas para que deem frutos em longo prazo.

“Na UFPR, a recente aprovação do Plano Institucional de Internacionalização (PII) prevê o suporte institucional para as parcerias diversas com o mundo, e o projeto PrInt-UFPR [Programa Institucional de Internacionalização] encerra ações de forma muito objetiva no sentido de promover a internacionalização da pesquisa e da pós-graduação”, afirma.

Mendonça destaca que, ao estabelecer as dimensões e possibilidades da realização da internacionalização na UFPR, o PII é um documento fundamental para as parcerias internacionais que visam a produção de conhecimento. “Os acordos de co-tutela estão previstos no âmbito das ações do PII, e constituem uma atividade de suma importância para a efetivação da internacionalização da UFPR”.

Institucionalização

Na avaliação do professor André de Macedo Duarte, diretor da AUI, a resolução deu autonomia aos colegiados dos programas para propor as cooperações, limitando as avaliações à PRPPG e à AUI, que se responsabilizam por checar documentação.

“A PRPPG e a AUI apenas analisam se a documentação exigida está presente, não cabendo a nós analisar a pertinência ou não da proposta. Isso facilita as coisas, pois o essencial é o interesse mútuo dos dois programas de pós-graduação e pesquisa no estabelecimento do acordo de cotutela”, explica Duarte. “A documentação é bastante reduzida, limitando-se ao essencial”.

O diretor se refere basicamente à minuta de acordo mútuo (específico para cada doutorando), que precisa definir o projeto de pesquisa, cronograma de atividades, meios de financiamento dos deslocamentos, língua em que o trabalho será redigido e os orientadores na UFPR e no exterior, entre outros dados.

Duarte destaca que, no contexto do PrInt-UFPR, submetido à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) no fim de maio, os acordos de cotutela são considerados estratégicos pela instituição.

“O entendimento é que o acordo de cotutela dá mostras concretas de um processo orgânico e consistente de internacionalização, justamente porque ele pressupõe uma boa integração acadêmica entre os parceiros”, afirma. “Isto mostra que há confiança na qualidade da produção acadêmica entre as partes, bem como ressalta o caráter de reciprocidade nesta relação acadêmica, outro aspecto claramente estimulado pelo edital proposto pela Capes”.

PASSO A PASSO DA COTUTELA (detalhes do procedimento podem ser consultados na Resolução n.º 12/17)

  1. O primeiro passo é apresentar o projeto a um possível orientador em universidade estrangeira, para que se interesse por ele.
  2. Formalizado o interesse pela orientação, deve ser elaborado um ofício a ser entregue à deliberação pelo colegiado do programa de pós-graduação stricto sensu. O ofício deve informar: o projeto de dissertação, tese ou plano de trabalho incluindo cronograma de atividades; histórico escolar atualizado do aluno; informações sobre financiamento das atividades; “curriculum vitae” lattes ou simplificado do orientador no exterior; justificativa da escolha da instituição e do orientador do exterior; cartas de concordância/responsabilidade dos orientadores; carta de aceite da universidade no exterior; minuta do acordo de cotutela em português e na língua oficial da instituição estrangeira; e ata de aprovação do colegiado do programa.
  3. Aprovado o ofício pelo colegiado, deve ser elaborada uma proposta conjunta de acordo pelos representantes da UFPR e da instituição estrangeira, em língua portuguesa e na língua oficial da outra universidade. Esse é o documento que será apresentado à PRPPG e à AUI.
  4. O acordo é firmado por aluno e deve conter: dados das instituições, representantes oficiais e aluno; data de matrícula; previsão de titulação, o nome dos orientadores; título da tese ou dissertação; o plano de trabalho com o cronograma da permanência do aluno em cada instituição; idioma do trabalho final, forma de apresentação e local; obrigações financeiras a serem assumidas pelos envolvidos, inclusive quanto a taxas, matrículas, seguro-saúde e de responsabilidade civil e a sessão de defesa; exigências específicas para o aluno; titulação a ser conferida; propriedade intelectual e proteção de resultados da pesquisa comum às instituições em conformidade com os procedimentos de cada país; vigência do acordo; e contatos da unidade responsável pelo acordo de cotutela em cada instituição.
  5. Após o trâmite, o acordo é assinado, pela UFPR, pelo pró-reitor de Pesquisa e Pós-graduação, pelo diretor da AUI, pelo coordenador do programa, pelo orientador e pelo aluno. O aluno poderá desempenhar as atividades da cotutela assim que estiver matriculado nas duas universidades.

Outras notícias

UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2019 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pelo Centro de Computação Eletrônica da UFPR