Universidade Federal do Paraná

Menu

+ UFPR

UFPR promove 1ª Jornada Nacional “Mulher Viver Sem Violência”

Superintendência de Comunicação Social     6 de novembro de 2015 - 20h06

Morgan Sessions

Violências contra a mulher vão muito além das agressões físicas. Podem ser de caráter sexual, psicológico e moral, contra sua autonomia, doméstica, entre companheiros e mesmo institucional. FOTO: Morgan Sessions

Cada vez mais envolvida com as causas dos direitos humanos, a UFPR se une a outras instituições e promove a 1ª Jornada Nacional “Mulher Viver Sem Violência”. Em parceria com a Prefeitura de Curitiba e a Universidade Positivo (UP), a iniciativa trará à capital personalidades de referências nacionais no debate, na produção de conhecimentos e nas políticas públicas de enfrentamento da violência contra as mulheres.

A Jornada tem início dia 23 de novembro e logo na abertura provoca as discussões com participação de uma das maiores combatentes contra a violência doméstica: Maria da Penha. Bioquímica e farmacêutica, a cearense Maria da Penha Maia Fernandes viveu um drama – tanto pela brutalidade sofrida nas mãos do ex-marido quanto pelos quase 20 anos de luta contra a impunidade dos crimes praticados pelo agressor – que a engrandeceu e serviu como mote para a criação da lei 11.340/2006, que coíbe a violência doméstica e familiar contra a mulher no Brasil (Lei Maria da Penha).

1ª JornadaAlém de palestras e conferências, a 1ª Jornada Nacional “Mulher Viver Sem Violência” promoverá uma mostra dos trabalhos acadêmicos que tratam da violência contra as mulheres, por meio de workshops e oficinas ligadas ao tema. Entre os palestrantes convidados para os grandes debates estão a pesquisadora e antropóloga Beatriz Accioly, que enfatiza o papel dos meios de comunicação no combate à cultura da violência contra a mulher; a jornalista e blogueira Juliana de Faria, criadora da campanha “Chega de Fiu-fiu”; a médica e pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP) Ana Flávia D’Oliveira, que abordará o tema da violência contra as mulheres sob a perspectiva da saúde; a secretária especial de enfrentamento da violência contra as mulheres do governo federal, Aparecida Gonçalves, para tratar das políticas públicas e ações de governos, e a antropóloga Rita Laura Segato, da Universidade de Brasília (UnB), especialista em cultura da não-violência.

A abertura acontecerá na noite de 23 de novembro, a partir das 19 horas, no Estação Convention Center. No dia 24 de novembro e no dia 25, pela manhã, a programação da Jornada acontecerá no campus da Universidade Positivo, no bairro do Campo Comprido. No dia 25, a partir da tarde e à noite, as atividades prosseguem no Prédio Histórico e na Faculdade de Direito da UFPR, que fica na praça Santos Andrade, centro de Curitiba.

O evento é voltado para a comunidade acadêmica, estudantes e pesquisadores, para profissionais dos organismos que integram a rede de atenção às mulheres em situação de violência, ativistas dos movimentos sociais e demais pessoas interessadas.

Dias de Ativismo

A 1ª Jornada Nacional “Mulher Viver Sem Violência” integra o calendário da mobilização mundial dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres. No mundo inteiro, as atividades de sensibilização e de conscientização a respeito do tema acontecem do dia 25 de novembro, que é o Dia Internacional da Não-Violência às Mulheres, até o dia 10 de dezembro, data-símbolo da luta em favor dos Direitos Humanos. No Brasil, por causa da dupla discriminação sofrida pelas mulheres negras, os “dias de ativismo” se iniciam em 20 de novembro, que é o Dia Nacional da Consciência Negra.

Para conferir a programação completa da 1ª Jornada Nacional “Mulher Viver Sem Violência”, participar ou inscrever trabalhos, basta acessar o hotsite do evento.

 

bannerConte Conosco

Além das diversas frentes de estímulo à pesquisa e à reflexão sobre a violência, em agosto deste ano, uma iniciativa inédita nas universdades federais passou a integrar as políticas institucionais em defesa dos direitos humanos na UFPR: o programa Conte Conosco. Entre outras ações, a proposta disponibiliza uma plataforma virtual que funciona como grande ambiente onde pessoas que se sentem vítimas da discriminação e da violência podem se encontrar com especialistas e pesquisadores preparados para lidar com as diversas frentes que a problemática pode gerar.

A ideia surgiu a partir da necessidade percebida pela Universidade de que um posicionamento mais firme e transparente precisava ser adotado contra a intolerância e a violência entre estudantes, professores e técnicos. Assim, a UFPR convidou para pensar e agir – de forma colaborativa – mais de 20 entidades envolvidas com questões de gênero, direitos humanos e promoção da igualdade racial. Os grupos aceitaram o desafio e passaram a se reunir junto com a Reitoria para discutir estratégias de enfrentamento, conscientização e institucionalização dos problemas. Desse compartilhamento de ideias, foi-se delineando o Conte Conosco. Conheça aqui.

Leia também:
UFPR lança programa inédito de combate à discriminação e à violência na comunidade acadêmica


Outras notícias

UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2017 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pelo Centro de Computação Eletrônica da UFPR