Universidade Federal do Paraná

Menu

Ciência e Tecnologia

Parceria entre universidades brasileiras e internacionais avalia oferta de alimentos e bebidas nos Jogos Olímpicos Rio 2016

Jéssica Maes     2 de dezembro de 2016 - 12h43

hamburguer-comida-rio-2016-alimento

O grupo responsável pela pesquisa incluiu integrantes do Brasil, França e Reino Unido. Imagem: Arquivo pessoal

Uma parceria entre universidades brasileiras e internacionais concluiu que o fornecimento de alimentos e bebidas para espectadores nos Jogos Olímpicos Rio 2016 não cumpriu os padrões da Organização Mundial de Saúde, os conselhos dietéticos do Governo Brasileiro e os próprios objetivos do Comitê Organizador. Liderado por Joe Piggin, pesquisador da Universidade de Loughborough, o The Phansmer Research Group é composto por Doralice Lange de Souza, professora do Setor de Ciências Biológicas da UFPR, Sabrina Furtado, mestranda em Educação Física na UFPR, e membros da Université Paris Descartes (França), Universidade Federal de Minas Gerais e Universidade Federal do Rio Grande.

O grupo de pesquisa examinou a política de saúde pública, coletou dados em diversas instalações esportivas destinadas aos Jogos Olímpicos e Paralímpicos e entrevistou espectadores que participaram da Rio 2016. Antes dos Jogos começarem, documentos endossados pelo COI determinavam que os alimentos ofertados deveriam ser “saudáveis, nutritivos e equilibrados” e que “os produtos e receitas brasileiros deveriam ter uma posição de destaque em todos os cardápios”. No entanto, a pesquisa do grupo mostra que esse não foi o caso. Em vez disso, alimentos e bebidas ultra processados dominaram os menus.

Piggin observa que cerca de 8 milhões de refeições foram servidas aos espectadores durante as 4 semanas dos Jogos. “Foram 8 milhões de oportunidades para ensinar e reforçar o comportamento saudável de pessoas de todas as idades. As diretrizes alimentares para a população brasileira sugerem que os alimentos e bebidas ultra processados devem ser evitados porque tendem a ser consumidos em excesso, deslocam alimentos naturais ou minimamente processados e seus meios de produção, distribuição, comercialização e consumo prejudicam a cultura, a vida social e o meio ambiente”, explica o pesquisador.

Dicas para o futuro

O relatório Phansmer propõe que mudanças significativas sejam feitas em futuros Jogos Olímpicos e Paralímpicos para garantir que os espectadores não sejam privados de acesso a alimentos e bebidas saudáveis. O relatório também sugere que a alimentação saudável deva ser considerada como tema de importância superior aos interesses dos patrocinadores.

Outras questões que impediram os espectadores de terem uma dieta saudável nos Jogos incluem o confisco de comida e bebida dos mesmos nos pontos de entrada de locais de jogos, dificuldade de acesso à água potável em algumas instalações esportivas e uma política que favoreceu os patrocinadores e excluiu outras opções saudáveis.

O grupo de pesquisa argumenta que o Comitê Olímpico Internacional (COI), os futuros Comitês Organizadores Locais (LOCs) e patrocinadores corporativos devem se comprometer com padrões mais elevados de refeições para os espectadores, consultando especialistas independentes em saúde pública. O grupo também argumenta que megaeventos como os Jogos Olímpicos devem permitir que os espectadores levem sua própria comida e bebida ou devem garantir que os espectadores possam comprar alimentos saudáveis. O aumento de opções vegetarianas também é necessário, bem como melhorias na apresentação visual de alimentos em todos os menus.

“Megaeventos esportivos como os Jogos Olímpicos e Paralímpicos são eventos globais significativos”, aponta Piggin. “Considerando as questões de saúde global relacionadas à má nutrição, este estudo expôs uma série de falhas na Rio 2016, o que deve ser tratado com urgência pelo COI, LOC e patrocinadores corporativos”.

A OMS recomenda que seus Estados membros não comercializem bebidas açucaradas e alimentos não saudáveis em locais onde crianças e adolescentes se reúnem (como instalações esportivas e eventos). O grupo Phansmer recomenda mudanças significativas na maneira como megaeventos tratam seus espectadores. “Os Jogos ficaram muito aquém da política da OMS, das orientações do governo brasileiro e das próprias diretrizes dos Jogos. Faz-se necessária uma maior ênfase na promoção da saúde em eventos como estes”, conclui o estudo.

Confira o estudo na íntegra clicando aqui.


Outras notícias

UFPR nas Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Flickr RSS UFPR UFPR no Youtube UFPR no Instagram
Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299 | CEP 80.060-000 | Centro | Curitiba | PR | Brasil | Fone: +55(41) 3360-5000
UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Universidade Federal do Paraná
Rua XV de Novembro, 1299
CEP 80.060-000 - Centro
Reitoria da UFPR - Curitiba - PR - Brasil
Fone: +55(41) 3360-5000

Imagem logomarca da UFPR

©2017 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pelo Centro de Computação Eletrônica da UFPR